D. Duarte renuncia em favor do filho

Numa edição em que também fazia capa o Congresso Transmontano - evento presidido pelo arcebispo de Braga do qual os enviados especiais do DN relatavam todos os detalhes de uma negociação acesa sobre "os interesses da região do Douro, especialmente a questão vinícola" -, o espaço central era ocupado com um assunto de Estado.

Dez anos depois de o país trocar a Monarquia pela República, anunciava-se que D. Miguel de Bragança renunciara "os seus direitos à coroa de Portugal em seu filho, D. Duarte Nuno de Bragança", tendo sido escolhida "para tutora do novo pretendente a infanta Dona Aldegundes, Duquesa de Guimarães". Dias antes, recordava o DN, também o primogénito de D. Miguel, com o mesmo nome, renunciara.

O pai de D. Duarte Pio de Bragança (atual pretendente ao trono, caso Portugal fosse um regime monárquico) tornava-se assim o legítimo sucessor. "Sétimo filjo do segundo matrimónio de D. Miguel com D. Maria Tereza de Loewstein, nascido em 23 de setembro de 1907 na Baixa Áustria, educado por sua mãe e pela sr.ª D. Maria das Dores Prego Castelo, além de das línguas estrangeiras aprendeu o português", relatava o Diário de Notícias neste dia 10 de setembro de 1920.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.