Aconteceu em 1920 - D. Duarte renuncia em favor do filho

Numa edição em que também fazia capa o Congresso Transmontano - evento presidido pelo arcebispo de Braga do qual os enviados especiais do DN relatavam todos os detalhes de uma negociação acesa sobre "os interesses da região do Douro, especialmente a questão vinícola" -, o espaço central era ocupado com um assunto de Estado.

Dez anos depois de o país trocar a Monarquia pela República, anunciava-se que D. Miguel de Bragança renunciara "os seus direitos à coroa de Portugal em seu filho, D. Duarte Nuno de Bragança", tendo sido escolhida "para tutora do novo pretendente a infanta Dona Aldegundes, Duquesa de Guimarães". Dias antes, recordava o DN, também o primogénito de D. Miguel, com o mesmo nome, renunciara.

O pai de D. Duarte Pio de Bragança (atual pretendente ao trono, caso Portugal fosse um regime monárquico) tornava-se assim o legítimo sucessor. "Sétimo filjo do segundo matrimónio de D. Miguel com D. Maria Tereza de Loewstein, nascido em 23 de setembro de 1907 na Baixa Áustria, educado por sua mãe e pela sr.ª D. Maria das Dores Prego Castelo, além de das línguas estrangeiras aprendeu o português", relatava o Diário de Notícias neste dia 10 de setembro de 1920.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.