Altice Forum. Um palco de Braga para o mundo

Nesta segunda-feira, a Altice anuncia parceria com o município minhoto semelhante à que mantém com o Pavilhão Atlântico. Braga quer receber eventos mundiais como o Festival da Eurovisão e a Web Summit no multiusos.

Nesta segunda-feira, às 17.00, nasce o Altice Forum. A InvestBraga, Agência para a Dinamização Económica de Braga, a câmara local e a Altice assinam um acordo de naming rights alargado que pretende transformar a segunda maior sala de espetáculos e eventos do país num palco para os maiores acontecimentos mundiais. Âncoras tecnológicas como a Web Summit ou ímanes de receitas e visitantes como o Festival da Eurovisão são exemplos de alvos que esta parceria pretende atingir.

A operadora, sabe o DN, vai dotar o Altice Forum de infraestruturas tecnológicas de ponta para levar ao até aqui Forum Braga os maiores eventos nacionais e mundiais. Em Portugal, a grande concorrente será a Altice Arena, a maior sala multiusos do país. O antigo Pavilhão Atlântico passou a chamar-se Meo Arena em 2013 e em outubro do ano passado mudou para o atual nome, que reflete a passagem da PT Portugal a subsidiária da empresa francesa de Patrick Drahi. Ou seja, a Altice é a principal patrocinadora das duas salas com maior capacidade de acolher todo o tipo de eventos culturais, empresariais e desportivos. Um no centro/sul e outro no norte.

Contactada pelo DN, a Altice não confirma nem desmente este investimento, remetendo quaisquer esclarecimentos para a sessão com a imprensa desta tarde, na sala 6 do Forum.

Nesse momento, será erigido o "A" do logótipo da empresa na fachada do complexo que nasceu como Parque de Exposições de Braga, criado em 1981 com o propósito de ali realizar "feiras, exposições, congressos e outros eventos de carácter sociocultural, científico, recreativo e desportivo, de interesse nacional e internacional", conforme pode ler-se no site do espaço que era conhecido até hoje como Forum Braga.

"Inovação, empreendedorismo, intervenção socioeconómica e promoção de relações de parceria que fomentem o desenvolvimento e a competitividade das populações, das empresas e do país, são determinantes para a estratégia da Altice em Portugal e no mundo. Nesse sentido, será apresentada uma parceria estratégica entre a Altice Portugal e a InvestBraga, no âmbito do Forum Braga, com associação do município de Braga", anunciou a operadora na nota de imprensa enviada na passada sexta-feira.

Na sessão estarão o comité executivo da Altice Portugal, liderado pelo presidente executivo, Alexandre Fonseca, o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, e Carlos Nuno Oliveira, presidente do conselho de administração da InvestBraga, uma empresa pública municipal constituída há 20 anos com um capital social de 175 mil euros.

Carlos Oliveira, que foi secretário de Estado do Empreendedorismo, Competitividade e Inovação no governo de Passos Coelho, notabilizou-se por ter criado uma startup, a MobiComp, a primeira tecnológica portuguesa comprada pela Microsoft. Apesar de os valores nunca terem sido oficialmente divulgados, o colosso de Bill Gates terá pago à volta de 50 milhões de euros por uma empresa que nasceu com cinco mil euros - e teve outros dois cofundadores: António Murta, que criou no universo Sonae a tecnológica de retalho Enabler, comprada, em 2006, pelo grupo indiano Wipro por aproximadamente 41 milhões de euros; e Nestor Ribeiro, professor da Universidade do Minho.

A InvestBraga é o braço económico de Ricardo Rio para atrair investimento e visitantes para Braga, através da promoção de eventos, seminários, feiras e exposições. e do apoio à criação de startups. E é a gestora do Altice Forum. A segunda maior sala do país para a realização de espetáculos e o maior auditório do norte de Portugal representou um investimento total superior a oito milhões de euros, abriu em maio, e está dotado de espaços com quatro valências distintas: um centro de congressos, um pavilhão para espetáculos; uma galeria de arte contemporânea e uma zona exterior para concertos e exposições.

A partir desta segunda-feira, a Altice assume os naming rights, reforçando a estratégia de ativação da marca na cultura e de uma relação mais emocional com o público.

Apesar de não ter sido possível confirmar oficialmente, o Altice Forum será promovido por uma forte campanha de comunicação que desvendará progressivamente as diferentes vertentes de intervenção da empresa no multiusos minhoto. A intervenção da operadora será transversal ao fórum, criando uma nova experiência no acesso aos espetáculos, mais interativa e facilitadora.

A campanha deverá massificar-se pelos canais de comunicação tradicionais (televisão, rádio, imprensa e mupis) e da internet (sites oficiais da Altice e páginas nas redes sociais), com várias ações de rua e no ponto de venda. Falta saber se será criado um Meo Kanal, serviço que permite produzir o próprio canal de televisão, à imagem do que aconteceu com a Altice Arena.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."