Premium A inteligência artificial e o Jazz (também) em debate no CCB

Lisboa e o Centro Cultural de Belém foram a escolha da organização para a 5.ª edição de 2018 da Conferência Europeia de Jazz. Protagonistas desta música vão debater as novas tendências e agendar o futuro do setor.

A edição de 2018 da Conferência Europeia de Jazz vai acontecer a partir de quinta-feira e até domingo no Centro Cultural de Belém (CCB). A cidade de Lisboa foi escolhida pela principal reunião anual da indústria ligada ao jazz e à música criativa na Europa. Para o ano será na localidade italiana de Novara que os líderes dos festivais de música, promotores, gestores culturais, agentes, jornalistas e agências de exportação ao nível regional e nacional continuarão o trabalho que agora vai acontecer na capital portuguesa.

Um dos painéis vai debater as novas tecnologias no setor e até que ponto a inteligência artificial pode ajudar na composição e na interpretação improvisada. No mesmo encontro, vão apresentar-se a Orquestra Jazz de Matosinhos com Maria João, João Paulo Esteves da Silva, João Barradas e João Mortágua (dia 13, às 22.00); o Espen Eriksen Trio com Andy Sheppard - Perfectly Unhappy (dia 14, às 21.30) e Bugge Wesseltoft's New Conception of Jazz (dia 15, às 21.30).

A primeira Conferência Europeia de Jazz foi em 2014 e desde então os promotores do encontro juntam ao debate profissional a presença de vários artistas do país anfitrião (ver lista em baixo) num festival. A agenda conta com grupos de debate a alto nível e workshops, sessões em streaming para músicos da área e visitas culturais.

A escolha de Portugal permite aos músicos nacionais uma grande exposição aos profissionais da indústria que se deslocam a Lisboa e, por norma, criam novos projetos artísticos no continente europeu, colaborações e novas relações com promotores do setor, bem como a partilha de experiências com as novas tendências que estão a verificar-se em todo o mundo.

A cimeira de jazz vai na quinta edição e pretende desenvolver ideias e práticas inovadoras entre os atores-chave da paisagem cultural e do jazz na Europa durante três dias - 13 a 15. Coorganizada pelo CCB, pela Europe Jazz Network e pela Associação Sons da Lusofonia, tem o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, do Turismo de Lisboa e do Programa Europa Criativa da União Europeia.

Programação

A Conferência Europeia de Jazz realiza-se em vários espaços no Centro Cultural de Belém

Dia 13. Receção, inscrição e sessões sobre jazz para jovens, ferramentas digitais e plataformas para troca de experiências.

Reunião da assembleia geral da Conferência Europeia de Jazz, seguida de concerto da Orquestra Jazz de Matosinhos, com os convidados Maria João (voz), João Paulo Esteves da Silva (piano), João Mortágua (sax) e João Barradas (acordeão).

Dia 14. Cerimónia oficial de abertura, seguida de discurso de Maria João em que falará da sua carreira e das experiências mais extremas nos géneros musicais que aborda, a criatividade e a inovação.

Painel sobre o jazz português com a participação de músicos e promotores de toda a Europa para troca de ideias sobre colaborações e troca de experiências com vista a oportunidades futuras. Participam Beatriz Nunes, Pedro Guedes, Pedro Costa, Rui Eduardo Paes e Pedro Cravinho, com moderação de Francesco Martinelli

Painel sobre a Cidade e o Jazz com a música espanhola Azucena Mico.

Painel sobre Perspetivas Globais com Adam Schatz (EUA), Jan Bang (Noruega), Paul Mason (Austrália), moderados por Jan Ole Otnæs (Noruega).

Painel sobre Pesquisa no Jazz com Tony Whyton (RU)

Painel O que vem por aí, com vários protagonistas do jazz europeu.

Painel sobre Jazz, Meio ou Mensagem, a perspetivar as tendências com Scott Cohen (RU)

Dia 15. Painel sobre inteligência artificial na composição e na improvisação por François Pachet (FR).

Painel sobre novas tecnologias e os efeitos na indústria com François Pachet, Kelly Snook (EUA), Scott Cohen (RU), moderado por Kenneth Killeen.

Showcase de Pedro Melo Alves - Omniae Ensemble

Concerto com jovens músicos da Estónia e da Dinamarca com músicos do Hot Clube de Portugal Escola de Jazz.

Lançamento do livro The History of European Jazz - The Music, Musicians and Audience in Context.

Showcase com Quarteto Beatriz Nunes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.