Premium A inteligência artificial e o Jazz (também) em debate no CCB

Lisboa e o Centro Cultural de Belém foram a escolha da organização para a 5.ª edição de 2018 da Conferência Europeia de Jazz. Protagonistas desta música vão debater as novas tendências e agendar o futuro do setor.

A edição de 2018 da Conferência Europeia de Jazz vai acontecer a partir de quinta-feira e até domingo no Centro Cultural de Belém (CCB). A cidade de Lisboa foi escolhida pela principal reunião anual da indústria ligada ao jazz e à música criativa na Europa. Para o ano será na localidade italiana de Novara que os líderes dos festivais de música, promotores, gestores culturais, agentes, jornalistas e agências de exportação ao nível regional e nacional continuarão o trabalho que agora vai acontecer na capital portuguesa.

Um dos painéis vai debater as novas tecnologias no setor e até que ponto a inteligência artificial pode ajudar na composição e na interpretação improvisada. No mesmo encontro, vão apresentar-se a Orquestra Jazz de Matosinhos com Maria João, João Paulo Esteves da Silva, João Barradas e João Mortágua (dia 13, às 22.00); o Espen Eriksen Trio com Andy Sheppard - Perfectly Unhappy (dia 14, às 21.30) e Bugge Wesseltoft's New Conception of Jazz (dia 15, às 21.30).

A primeira Conferência Europeia de Jazz foi em 2014 e desde então os promotores do encontro juntam ao debate profissional a presença de vários artistas do país anfitrião (ver lista em baixo) num festival. A agenda conta com grupos de debate a alto nível e workshops, sessões em streaming para músicos da área e visitas culturais.

A escolha de Portugal permite aos músicos nacionais uma grande exposição aos profissionais da indústria que se deslocam a Lisboa e, por norma, criam novos projetos artísticos no continente europeu, colaborações e novas relações com promotores do setor, bem como a partilha de experiências com as novas tendências que estão a verificar-se em todo o mundo.

A cimeira de jazz vai na quinta edição e pretende desenvolver ideias e práticas inovadoras entre os atores-chave da paisagem cultural e do jazz na Europa durante três dias - 13 a 15. Coorganizada pelo CCB, pela Europe Jazz Network e pela Associação Sons da Lusofonia, tem o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, do Turismo de Lisboa e do Programa Europa Criativa da União Europeia.

Programação

A Conferência Europeia de Jazz realiza-se em vários espaços no Centro Cultural de Belém

Dia 13. Receção, inscrição e sessões sobre jazz para jovens, ferramentas digitais e plataformas para troca de experiências.

Reunião da assembleia geral da Conferência Europeia de Jazz, seguida de concerto da Orquestra Jazz de Matosinhos, com os convidados Maria João (voz), João Paulo Esteves da Silva (piano), João Mortágua (sax) e João Barradas (acordeão).

Dia 14. Cerimónia oficial de abertura, seguida de discurso de Maria João em que falará da sua carreira e das experiências mais extremas nos géneros musicais que aborda, a criatividade e a inovação.

Painel sobre o jazz português com a participação de músicos e promotores de toda a Europa para troca de ideias sobre colaborações e troca de experiências com vista a oportunidades futuras. Participam Beatriz Nunes, Pedro Guedes, Pedro Costa, Rui Eduardo Paes e Pedro Cravinho, com moderação de Francesco Martinelli

Painel sobre a Cidade e o Jazz com a música espanhola Azucena Mico.

Painel sobre Perspetivas Globais com Adam Schatz (EUA), Jan Bang (Noruega), Paul Mason (Austrália), moderados por Jan Ole Otnæs (Noruega).

Painel sobre Pesquisa no Jazz com Tony Whyton (RU)

Painel O que vem por aí, com vários protagonistas do jazz europeu.

Painel sobre Jazz, Meio ou Mensagem, a perspetivar as tendências com Scott Cohen (RU)

Dia 15. Painel sobre inteligência artificial na composição e na improvisação por François Pachet (FR).

Painel sobre novas tecnologias e os efeitos na indústria com François Pachet, Kelly Snook (EUA), Scott Cohen (RU), moderado por Kenneth Killeen.

Showcase de Pedro Melo Alves - Omniae Ensemble

Concerto com jovens músicos da Estónia e da Dinamarca com músicos do Hot Clube de Portugal Escola de Jazz.

Lançamento do livro The History of European Jazz - The Music, Musicians and Audience in Context.

Showcase com Quarteto Beatriz Nunes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.