Aconteceu em 1939 - Carmona fala ao país depois da viagem a África

O DN de 10 de outubro de 1939 destacava os discursos do presidente Óscar Fragoso Carmona e de António de Oliveira Salazar, presidente do Conselho, à nação. O primeiro tinha acabado de regressar de África.

"Os chefes falam à nação", titulava na primeira página o DN de 10 de outubro de 1939. Eram tempos complicados, pois a Europa estava há pouco mais de um mês em guerra, no seguimento da invasão nazi da Polónia a 1 de setembro. O marechal Carmona, Presidente da República, e o professor Salazar, presidente do Conselho de Ministros, falaram ambos em São Bento, então sede da Assembleia Nacional, hoje Assembleia da República.

Recém-regressado de África, onde visitara Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Angola e Moçambique, Carmona refletiu sobre essa sua segunda viagem às colónias, afirmando: "Senti bem que nas aclamações ao Chefe do Estado era aclamada a unidade imperial da Pátria Portuguesa." Já Salazar, defensor na neutralidade na Segunda Guerra Mundial, disse haver "no mundo verdadeiro horror à guerra, mas não o há menos a insegurança e a sobressaltada paz em que se tem vivido. Os homens de Estado encontram-se perplexos entre duas situações intoleráveis e buscam em dolorosas meditações a preferência por um daqueles males. A nós nada compete decidir, mas somos lógicos connosco mesmos procurando descortinar se à consciência dos governos e dos povos se abrem só as duas alternativas de angustioso dilema, ou se não é possível rasgar outros caminhos à paz que não sejam os caminhos da guerra".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Monsanto

"Nunca pensei desistir." O jardineiro que derrubou a Monsanto

Não é um homem rico, como muitos pensam, porque ainda não recebeu a indemnização da Monsanto. Nem sabe se viverá o suficiente para assistir ao acórdão final do processo que travou contra a gigante agroquímica, dona da marca RoundUp. Ainda assim, sabe que já fez história. Na luta contra um cancro (linfoma não Hodgkin), diz que tem dores, altos e baixos, mas promete não desistir. Se houvesse cura, Dewayne Lee Johnson gostaria de criar uma fundação e dedicar-se mais à música e à arte.