Premium Lisboa e Porto de comboio vai demorar mais seis minutos

CP muda horários dos serviços Alfa Pendular e Intercidades a partir de 5 de agosto por causa das obras no norte do país

A viagem de comboio entre Lisboa e Porto vai demorar mais seis minutos a partir de 5 de agosto. Este é o impacto das obras de renovação na linha de caminho-de-ferro que estão a decorrer na Linha do Norte, no troço entre Ovar e Gaia, a cargo da Infraestruturas de Portugal (IP). A CP, ainda assim, não vai reduzir o número de viagens.

"O acréscimo do tempo de percurso de alguns comboios decorre das intervenções a realizar na infraestrutura. Por decisão da IP, são definidas limitações de velocidade à circulação dos comboios nos troços em obra", justifica fonte oficial da IP ao DN/Dinheiro Vivo.

O aumento no tempo de viagem vai sentir-se tanto no Alfa Pendular como no Intercidades: no Alfa Pendular, a viagem entre Lisboa-Santa Apolónia e Porto-Campanhã vai passar a demorar 2 horas e 50 minutos, em vez das atuais 2 horas e 44 minutos; a viagem de Intercidades passará a durar 3 horas e 16 minutos em vez das atuais 3 horas e 8 minutos, de acordo com a página oficial da CP.

O primeiro comboio da manhã vai também partir mais tarde: o primeiro comboio de Lisboa para o Porto vai passar a sair às 06h30 (em vez de ser às 06h00); a última viagem mantém o horário de saída às 21h30.

As mudanças de horário também afetam a ligação entre Braga e Lisboa, que irá demorar mais cinco minutos, se a deslocação for feita por Alfa Pendular: 3 horas e 30 minutos (em vez de 3 horas e 25 minutos). A viagem entre estas cidades deverá continuar a durar 3 horas e 56 minutos quando são utilizados os comboios Intercidades.

Nas restantes ligações de longo curso não estão previstas mudanças na duração ou número de viagens.

Obras na Beira Alta

A renovação ou construção de linhas de caminhos-de-ferro também abrange outras zonas do país. A IP vai começar as obras entre Cerdeira e Guarda, na Linha da Beira Alta, daqui a um ano, ao abrigo do programa Ferrovia 2020. Com orçamento de 11 milhões de euros, esta intervenção irá demorar dez meses e irá decorrer ao longo de 14 quilómetros, de acordo com o concurso lançado ontem, na Guarda, por Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas.

O ministro aproveitou ainda para lançar o concurso para a renovação do sistema sinalização da rede ferroviária nacional, avaliado em 63 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.