Premium Leonor Teles: "Não me interessa fazer filmes, sugar a alma e ir embora"

Entrevista à realizadora a propósito de Terra Franca, a sua primeira longa-metragem, que hoje chega às salas portuguesas. Leonor Teles regressou à sua terra natal para filmar um ano na vida de uma família.

Leonor Teles sorri quando lhe perguntamos se está cansada de falar acerca do filme. Está fechado há um ano, já passou por festivais (ganhou o Prix International de la Scam no festival Cinéma du Réel em Paris), pelo meio a realizadora até já regressou às curtas-metragens, mas disso ainda não quer falar. Terra Franca, que hoje chega às salas, é a primeira longa-metragem daquela que, em 2016, venceu um Urso de Ouro no Festival de Berlim com Balada de Um Batráquio.

Mais uma vez, Teles virou-se para aquilo que conhecia e demorou-se nisso, para o compreender e olhar melhor. Em Terra Franca passamos um ano na família de Albertino Lobo, um pescador de Vila Franca de Xira, terra natal da realizadora. Conhecemo-lo qual herói sozinho no rio e muito mais leve em casa, rodeado da mulher, Dália, e das duas filhas, Lúcia e Laura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.