Premium Globo e Bolsonaro em fogo cruzado. Quem ganha a "terceira guerra mundial"?

Palácio do Planalto quer cortar verbas e supostos privilégios da líder de audiências. Estrelas da emissora lançam diretas e indiretas ao presidente. Os dados estão lançados numa batalha que pode marcar todo o mandato presidencial.

Na tomada de posse de Jair Bolsonaro, no dia 1 de janeiro, em Brasília, sempre que um dos (muitos) repórteres da TV Globo, líder absoluta de audiências, ou da Globo News, o seu braço exclusivamente noticioso, se aproximava da área reservada ao público ouvia gritos do outro lado "WhatsApp, WhatsApp, WhatsApp!". No terreno, a guerra já está em marcha.

Aliás, começou logo na pré-campanha, no início do ano passado, quando o "povo bolsonarista" preferiu informar-se pelo aplicativo de telemóvel, muitas vezes via fake news, a consumir os media tradicionais, que acusava de perseguição ao seu candidato.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.