Premium "Agora é tempo de definir os limites. Depois vemos como ir buscar os recursos"

O português Aldino Campos é um dos 20 peritos mundiais que integram a Comissão de Limites da Plataforma Continental da ONU, onde nos últimos dias se discutiu a proposta de estender o fundo do mar português para lá das 200 milhas.

Engenheiro hidrógrafo e oficial da Armada na reserva, Aldino Campos foi um dos responsáveis da Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental (EMEPC) que elaboraram a proposta entregue formalmente por Lisboa junto da ONU em 2009. Especialista em hidrografia e oceanografia, está proibido de participar na análise do documento português - sobre o qual recusa falar - ou dos espanhóis, para evitar conflitos de interesses. Aldino Campos falou ao DN a propósito dos 10 anos da entrega da proposta portuguesa.

Portugal entregou em 2009 a sua proposta à ONU, que demorou oito anos para começar a analisá-la. É normal? Como explicar?
É normal esse intervalo de tempo. Já havia 43 propostas entregues, que são apreciadas por ordem de chegada. Serem entregues de manhã ou de tarde, na altura da nossa submissão, poderia implicar um atraso de anos porque são análises sequenciais. Por isso é normal, foi um período de espera expectável.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.