Álvaro Lins em Lisboa e a Ribeira das Naus a estrear

Numa primeira página com notícias que iam da Política ao Desporto, dois temas eram destacados nesta data: a chegada do escritor brasileiro a Lisboa e a abertura da nova via lisboeta aos carros

Numa tira estreita mas colocada bem no meio da capa, o Diário de Notícias homenageava o escritor brasileiro que acabara de chegar a Lisboa com a mulher. "A bordo do paquete Serpa Pinto, que ontem de manhã regressou ao Tejo, chegou como anunciámos o conhecido escritor e ensaísta brasileiro Álvaro Lins, que vem visitar o nosso país a convite do Secretariado Nacional da Informação", relatava o DN, acrescentando que o brasileiro trouxera a mulher, Heloísa, tendo ambos sido recebidos por uma comitiva de personalidades destacadas de Portugal e do Brasil.

Ao lado, com mais destaque, dava este jornal conta da inauguração que prometia alterar o mapa de estradas de Lisboa: "a nova avenida da Ribeira das Naus foi aberta ao trânsito", escrevia-se, descrevendo como o trânsito podia agora fluir. "Pela nova avenida começaram a seguir automóveis, camiões e bicicletas (...) ao passo que os elétricos, os autocarros e as carroças continuam a utilizar a rua do Arsenal".

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.