Premium Um país distante

As aves migratórias percorrem anualmente milhares de quilómetros em busca de alimento e de climas mais amenos, as enguias e os salmões sacrificam as últimas energias vitais para poderem desovar no mesmo local onde nasceram, só nós, humanos, nos damos ao trabalho de viajar e atravessar países e continentes em busca de um tempo perdido.

Cada um terá a sua geografia: o Algarve, as praias do Norte, o Minho, as serras da Beira, Moçambique, a Madeira ou o Brasil. O locus amoenus pode remontar à primeira infância, aos anos de escola ou à adolescência, mas para todos representa um tempo sem dor nem preocupações, um paraíso utópico, antes de mordermos a maçã, de pagarmos IRS ou de termos um plano para a reforma.

Há quem o faça anualmente e quem o tenha feito uma vez na vida, a pulsão é a mesma e o resultado igualmente dissonante, pois nenhuma distância física, por mais longa, por mais sofrida, poderá restituir o tempo em que fomos outros e olhávamos, sentíamos e amávamos de forma diferente. As casas ruíram ou foram-se degradando, as pessoas envelhecem, morrem ou partem, os nomes não correspondem à memória e os cheiros atenuam-se.

Das quatro coordenadas que balizam as nossas vidas há três que podemos controlar e uma que existe para nos fugir e sobre a qual não temos qualquer domínio. Todo o tempo é passado, bom ou mau, mas sempre fugidio. Não somos aves, nem enguias ou salmões, somos apenas homens e mulheres que ainda são meninos.

Escritor, diariamente online

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.