O que liga o surf adaptado às decisões sobre a Europa

A praia de Carcavelos foi a rampa de lançamento da campanha institucional para as eleições europeias, que promoveu um dia de surf para todos.

Uma pequena tabuleta ao fim da rampa para a praia de Carcavelos avisa para o estado de espírito: "Fábrica de sorrisos". O dia, que acordou cinzento e a chuvinhar, parecia desmentir essa hipótese. Mas não demorou muito para ver sorrisos, abraços, gargalhadas e gritos de alegria durante um dia de prática de surf adaptado, numa organização conjunta da Surfaddict -Associação Portuguesa de Surf Adaptado, do Gabinete do Parlamento Europeu e da representação da Comissão Europeia (CE) em Portugal.

Uma moto, um furo num pneu e um pinheiro formaram uma fatídica associação que aos 17 anos deixaram Luís Rodrigues paraplégico. Hoje, aos 55, faz questão de marcar presença em atividades desportivas e recreativas. "Tento ir ao máximo de eventos que posso", diz, enquanto espera pela vez.

Após a inscrição, há que vestir o fato e depois ser transportado para a água numa cadeira anfíbia. "Vais parecer o Super-Homem", brinca um dos voluntários, enquanto Luís se equipa de vermelho. E como é a experiência de estar no mar? "A sensação é fantástica. Estamos num elemento natural, onde conseguimos sentir uma liberdade que não é tão fácil nestas circunstâncias. O elemento água transmite-nos essa possibilidade, essa liberdade de sermos mais leves naturalmente e de conseguirmos usufruir de uma forma que é mais difícil noutras situações", explica.

Formada em 2012, a Associação Portuguesa de Surf Adaptado já levou para dentro de água mais de 1800 pessoas de todo o país. Se a missão da Surfaddict é "abrir o surf a todas as pessoas com deficiência", como diz o seu presidente, Nuno Vitorino, o principal objetivo é "a divulgação e a projeção das pessoas com deficiência, não só ao nível do desporto mas também da cidadania. Estamos a falar de tirar as pessoas de casa e trazê-las para a sociedade", conclui.

O antigo nadador paralímpico reconhece que os programas e as verbas de Bruxelas "têm muito peso". O surf adaptado é um exemplo de como uma política europeia pode mexer na vida das pessoas.

Capacitar todos como iguais

A representação da UE em Portugal assinalou o início da campanha institucional das eleições europeias com esta chamada de atenção. A quem se encontrava na praia distribuiu um folheto com informações sobre o tema, como a UE estar a elaborar um cartão de deficiência, ou o programa Erasmus+ financiar em 100% os estudantes.

Estas medidas resultam da Estratégia Europeia para a Deficiência 2010-2020. O programa tem como meta genérica "capacitar as pessoas com deficiência para que possam usufruir de todos os seus direitos e beneficiar plenamente da sua participação na sociedade e na economia europeias". Em concreto, a CE comprometeu-se a trabalhar em oito áreas. No caso do surf adaptado promove-se a participação ("tornar acessíveis as organizações e atividades desportivas, culturais e recreativas").

A UE adotou o programa em novembro de 2010, pouco antes de a Convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência ter entrado em vigor. Todos os Estados membros ratificaram a convenção, que tem força de lei - à exceção da Rep. da Irlanda.

A estratégia tem como objetivo, por exemplo, subir a taxa de emprego dos cidadãos com deficiência para 75%, quando antes se situava em cerca de 50%, baixar os níveis do abandono escolar para menos de 10% e tirar 20 milhões dos cerca de 80 milhões de europeus com deficiência (número que em 2020 pode ascender a 120 milhões) da pobreza ou do risco de pobreza e exclusão.

Em 2017 foi publicado um relatório da CE de balanço dos primeiros cinco anos. Ouvidos representantes e associações, concluiu-se que as áreas onde os progressos menos se notaram foram o acesso ao emprego e a escolaridade; o maior progresso deu-se no campo das acessibilidades: 28% da estratégia tinha sido adotada.

Desta vez eu voto

A ação na praia de Carcavelos serviu também para publicitar o lançamento da página www.destavezeuvoto.eu. Feito ao nível europeu, o site foi criado com o objetivo de envolver os cidadãos, ao apelar para que estes se inscrevam e dessa forma sinalizem (em especial aos seus conhecidos) que estão interessados em participar no ato eleitoral que decorre de 23 a 26 de maio. Vão ser eleitos 705 deputados de 27 países - é a primeira votação para o Parlamento Europeu (PE) sem contar com o Reino Unido.

Mas estas eleições prometem ter outros pontos de interesse. É o caso da correlação de forças, tendo em conta os grupos políticos europeus e a erosão previsível de partidos no centro do espectro político nos países mais populosos e a possível ascensão de partidos nacionalistas, populistas e iliberais. A este fenómeno, que já vem de trás, junta-se uma novidade absoluta, os movimentos paneuropeus como o VOLT ou a Primavera Europeia. Para terem direito a formar um grupo novo no Parlamento Europeu, um movimento tem de obter um mínimo de 25 deputados eleitos em sete países diferentes.

Por outro lado, o presidente francês, Emmanuel Macron, quer elevar o seu movimento à escala europeia e agitar as águas ao constituir um "movimento progressista" até ao fim do ano. A República em Marcha ainda não decidiu se vai juntar-se a algum grupo político existente ou se irá participar na criação de um. Certo é que Macron não concorda com a fórmula para a escolha do presidente da Comissão. "Uma anomalia democrática", comentou o ex-porta-voz de Macron e atual secretário de Estado, Christophe Castaner. Segundo as regras que entraram em vigor em 2014, previstas no Tratado de Lisboa, o Conselho Europeu designa um candidato, a ser aprovado pelo PE, tendo em conta os resultados das europeias.

Cabeças-de-lista em Portugal

PSD

Não há nada de oficial que transpire no partido liderado por Rui Rio, mas é dado como certo que, caso Paulo Rangel deseje, o advogado e professor universitário portuense voltará a ser o número um das listas dos sociais-democratas, depois de 2009 e 2014 (aqui em conjunto com o CDS).

PS

António Costa disse há dias que quer uma lista paritária. A liderá-la deverá estar um peso-pesado socialista, a sair do leque formado pelo presidente do partido, Carlos César, da secretária-geral adjunta, Ana Catarina Mendes, e do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. Está agendada uma convenção nacional, em janeiro, para aprovar a estratégia dos socialistas para as eleições.

CDS-PP

Em pleno agosto, o CDS optou por adiantar-se aos outros partidos e sinalizar, com cartazes, a sua escolha para cabeça-de-lista. A decisão tinha sido anunciada por Assunção Cristas no congresso do partido, em março. Cabeça-de-lista em 2009, Nuno Melo foi o único eurodeputado eleito pelo CDS numa lista conjunta com o PSD em 2014.

CDU

Comunistas e verdes também ainda não decidiram a composição das listas às eleições de maio. Todavia, não causará surpresa alguma se João Ferreira, vereador em Lisboa, segundo da lista da CDU ao Parlamento Europeu em 2009 e primeiro em 2014, volte a ser o cabeça-de-lista.

BE

Faz questão de dizer que a decisão não depende de si, mas em declarações ao Observador Marisa Matias não escondeu o interesse em voltar a candidatar-se. A única eurodeputada do Bloco de Esquerda, e candidata à Presidência da República, em 2016, estreou-se em Bruxelas em 2009, numa lista liderada por Miguel Portas.

Os outros

Em teoria, os eleitores estão mais abertos a votar de forma mais livre do que nas legislativas, como se comprova pela eleição de Marinho e Pinto e outro deputado pelo MPT, em 2014. Às candidaturas de partidos já existentes, é de esperar a de novos, como o Aliança, o Democracia 21, o Volt e o Livre enquanto partido do movimento Primavera Europeia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.