O interior: o seu conceito e a sua realidade

É facilmente aceitável por todos que o sucesso de uma iniciativa política decorre, com frequência, também da sua capacidade de concretizar a aceitação coletiva e consensual de uma mudança. Mas em poucos casos isso será tão evidente como com toda e qualquer iniciativa política ligada ao interior e à sua valorização. E porquê? Porque o desafio, nesta área, consiste não só na aferição das melhores respostas, concertadas e com visão de curto, médio e longo prazo, a uma questão que é profundamente estrutural, mas também no redesenhar de um conceito profundamente enraizado no imaginário português - o conceito de "interior". Para alterar o conceito que temos do interior, urge alterar-lhe a realidade.

O nosso conceito de "interior" alterou-se significativamente com dois momentos da nossa história recente: com Abril e com a abertura à Europa. Estes dois momentos permitiram a Portugal quer reequacionar - pela conquista da liberdade - a relação entre o poder central e o poder local quer ter acesso a fundos que nos permitiram começar a afastar o estigma da assimetria territorial. Hoje, é claramente necessário continuar a lutar pelo abandono da trajetória insustentável da desarticulação. Porquê? Porque creio que a assimetria de oportunidades, quando instalada, pode ser facilitadora de fenómenos tão prejudiciais à democracia como é, por exemplo, a demagogia do populismo. A luta pela equidade regional e o combate à litoralização progressiva e excessiva devem ser, nesta medida, entendidos também como garante da democracia.

A desconstrução da ideia de que a interioridade de um território lhe desvirtua o potencial não se resolve com a mera construção de uma estrada que o atravesse. É necessária a (re)afirmação positiva do interior, articulando as medidas e as políticas com a especificidade dos territórios, criando assim condições para a vitalidade que apenas a fixação das pessoas pode trazer. E como fazer tudo isto?

A valorização do território é, indiscutivelmente, um desígnio do atual governo. O elenco das medidas eleitas é vasto e variado e assenta em vetores estratégicos como a coesão, a competitividade, a sustentabilidade e a qualificação. O reforço dos mecanismos de transferência de serviços públicos para o interior, com incentivos à mobilidade geográfica, em particular de funcionários públicos, os apoios e incentivos para a captação de investimento estratégico, a aprovação do estatuto da agricultura familiar e o alargamento do ensino superior no interior, garantindo a redistribuição regional de vagas nas universidades e nos institutos politécnicos públicos, são apenas alguns dos muitos exemplos.

Esta linha de atuação resultou da aposta num nível mais elevado de mobilização das comunidades para o processo democrático e para a definição de estratégias e soluções, possível apenas pela capacidade de aproximação do poder de decisão aos cidadãos e às instituições. Continuemos, então, a lutar juntos por um interior melhor para todos. Um interior que seja próximo e igual em oportunidades. Mas o que é então o interior, um território de baixa densidade populacional? Tenho dúvidas e não gosto deste conceito.

Deputada do PS

Escreve de acordo com a antiga ortografia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.