O futuro conta com o Brasil

Neste dia 9 de setembro do ano 1972, o DN tinha uma edição em que a capa se dividia entre o enaltecimento do potencial do Brasil e as sequelas do massacre nos Jogos Olímpicos de Munique.

O melhor de Portugal, o pior do resto do mundo. Assim se dividia a capa do DN neste dia, em 1972, apenas quatro dias depois do ataque de um grupo de terroristas palestinianos (Setembro Negro) que resultou em 17 mortes nos Jogos Olímpicos que decorriam na cidade alemã de Munique.

"Represálias pela tragédia de Munique: aviões israelitas bombardearam a Líbia e a Síria", escrevia o DN, relatando a resposta de Israel ao atentado aos seus atletas. Ao lado, grande destaque era dado também à equipa olímpica americana, pelos piores motivos: "Mais um escândalo em Munique: banidos para sempre os atletas americanos que foram vaiados pelo público por terem desrespeitado a sua bandeira." O jornal contava que nunca mais poderiam participar em Jogos Olímpicos os atletas medalhados Vince Matthews e Wayne Collett, por terem gozado durante a celebração da sua vitória ao tocarem o hino.

Ainda assim, eram boas novas, e em língua portuguesa, que abriam o DN neste dia. 150 anos depois de o Brasil se tornar num "império político, agora tem um império espiritual em perspetiva. Esse império o visiono para a língua portuguesa", previa Marcello Caetano, num de cinco discursos em 12 horas de escala no Rio de Janeiro. "O Brasil não tem de interrogar o futuro, é o futuro que tem de contar com o Brasil."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)