Liberdade de expressão

O reconhecimento da liberdade de expressão traz consigo uma renúncia, uma cedência, uma forma de abdicação. Há um poder que se partilha, o poder da linguagem, do discurso, da palestra.

Nesse sentido, esse reconhecimento constitui um sobressalto, uma provação, porque essa partilha, essa cedência, não garante tom nem adequação. É um salvo-conduto, uma carta de alforria, um arejamento que autoriza o panegírico e a difamação, a elegia e a dissimulação, a compaixão e a idiotia.

Há quase um fatalismo nessa partilha de poder, porque ela invariavelmente concede aos nossos adversários, ao outro lado, o mesmo poder de que dispomos. Quando assim não é, quando o espaço público se não amplia problematicamente, quando se consegue desequilibrar o poder do discurso, quando se torna possível prever e evitar esse arejamento, não há liberdade de expressão. Haverá outra coisa qualquer, um engodo, um engenho, um músculo.

É por isso que os autocratas desconfiam da liberdade de expressão. Ela é a partilha de um poder e os autocratas não partilham o poder.

Essa desconfiança não é já ignorante, como aquela presunção de que é possível, a não ser em situações de miséria extrema, viver décadas e décadas negando a uma nação, a um povo, a mais ínfima dose desse poder. É uma desconfiança mais culta, arisca, que não desconhece os benefícios da ilusão, que se encanta com o jogo de espelhos, e que por isso preparou o autocrata para viver e triunfar num virtuoso manto de aparente liberdade.

Os novos autocratas, poderosos mas sem trono identificável, fazem bom uso do provérbio que os manda juntar a quem não podem vencer: se não há forma de impedir a liberdade de expressão, pois então que se utilize a dita em seu bel-proveito, reforçando nela a sua dimensão de poder, nela atenuando até ao limite a sua dimensão de cedência, de abdicação.

Aparecem assim as manifestações de liberdade destinadas não a expressar, a fazer ouvir, mas antes a calar, a impedir outros de ouvir. A pretexto de uma ideia, de uma indignação, interrompem-se salas, congressos, palestras e, insistindo na ideia de expressão, impede-se a expressão alheia.

Não há aqui, ao contrário do que possa pensar-se, um conflito de liberdades a carecer de mediação, arbitragem, equidade. Não há sequer duas legitimidades em cotejo, mutuamente desconfiadas, medindo-se, crescendo uma para cima da outra em busca de critério de desempate.

Quem se expressa de forma a impedir outro de falar, ainda que o faça cantando o Grândola, Vila Morena, exerce um poder, não a liberdade; atribui-se uma condição, um estatuto disciplinador, cabendo-lhe decidir quem fala o quê e quando e como, cabendo-lhe desconsiderar todos aqueles que por razões só suas estão interessados em ouvir o silenciado.

A liberdade de expressão pressupõe precisamente a renúncia a esse poder, conferindo a cada um a liberdade de falar, não o direito a ser ouvido por todos, não o direito a ser ouvido primeiro do que os outros, não o direito a impedir outros de falar.

E esta renúncia é assim mesmo, um sobressalto, uma provação, uma disposição para ouvir o absurdo, o impensável, o profano. Nem todos os absurdos, os impensáveis e os profanos vieram a ser resgatados pela história, nem de perto nem de longe. Mas muitos foram-no e são hoje as nossas verdades, a começar pela forma redonda da Terra.

Deixem lá os negacionistas do aquecimento global falar, apresentar os seus argumentos, testar as suas ideias. O debate, desde logo o científico, serve precisamente para, em liberdade, os contraditar e refutar, não para os calar. É que há sempre quem ache que nós estávamos bem melhor era caladinhos. Qualquer dia somos nós.

Advogado e vice-presidente do CDS

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.