Liberdade de expressão

O reconhecimento da liberdade de expressão traz consigo uma renúncia, uma cedência, uma forma de abdicação. Há um poder que se partilha, o poder da linguagem, do discurso, da palestra.

Nesse sentido, esse reconhecimento constitui um sobressalto, uma provação, porque essa partilha, essa cedência, não garante tom nem adequação. É um salvo-conduto, uma carta de alforria, um arejamento que autoriza o panegírico e a difamação, a elegia e a dissimulação, a compaixão e a idiotia.

Há quase um fatalismo nessa partilha de poder, porque ela invariavelmente concede aos nossos adversários, ao outro lado, o mesmo poder de que dispomos. Quando assim não é, quando o espaço público se não amplia problematicamente, quando se consegue desequilibrar o poder do discurso, quando se torna possível prever e evitar esse arejamento, não há liberdade de expressão. Haverá outra coisa qualquer, um engodo, um engenho, um músculo.

É por isso que os autocratas desconfiam da liberdade de expressão. Ela é a partilha de um poder e os autocratas não partilham o poder.

Essa desconfiança não é já ignorante, como aquela presunção de que é possível, a não ser em situações de miséria extrema, viver décadas e décadas negando a uma nação, a um povo, a mais ínfima dose desse poder. É uma desconfiança mais culta, arisca, que não desconhece os benefícios da ilusão, que se encanta com o jogo de espelhos, e que por isso preparou o autocrata para viver e triunfar num virtuoso manto de aparente liberdade.

Os novos autocratas, poderosos mas sem trono identificável, fazem bom uso do provérbio que os manda juntar a quem não podem vencer: se não há forma de impedir a liberdade de expressão, pois então que se utilize a dita em seu bel-proveito, reforçando nela a sua dimensão de poder, nela atenuando até ao limite a sua dimensão de cedência, de abdicação.

Aparecem assim as manifestações de liberdade destinadas não a expressar, a fazer ouvir, mas antes a calar, a impedir outros de ouvir. A pretexto de uma ideia, de uma indignação, interrompem-se salas, congressos, palestras e, insistindo na ideia de expressão, impede-se a expressão alheia.

Não há aqui, ao contrário do que possa pensar-se, um conflito de liberdades a carecer de mediação, arbitragem, equidade. Não há sequer duas legitimidades em cotejo, mutuamente desconfiadas, medindo-se, crescendo uma para cima da outra em busca de critério de desempate.

Quem se expressa de forma a impedir outro de falar, ainda que o faça cantando o Grândola, Vila Morena, exerce um poder, não a liberdade; atribui-se uma condição, um estatuto disciplinador, cabendo-lhe decidir quem fala o quê e quando e como, cabendo-lhe desconsiderar todos aqueles que por razões só suas estão interessados em ouvir o silenciado.

A liberdade de expressão pressupõe precisamente a renúncia a esse poder, conferindo a cada um a liberdade de falar, não o direito a ser ouvido por todos, não o direito a ser ouvido primeiro do que os outros, não o direito a impedir outros de falar.

E esta renúncia é assim mesmo, um sobressalto, uma provação, uma disposição para ouvir o absurdo, o impensável, o profano. Nem todos os absurdos, os impensáveis e os profanos vieram a ser resgatados pela história, nem de perto nem de longe. Mas muitos foram-no e são hoje as nossas verdades, a começar pela forma redonda da Terra.

Deixem lá os negacionistas do aquecimento global falar, apresentar os seus argumentos, testar as suas ideias. O debate, desde logo o científico, serve precisamente para, em liberdade, os contraditar e refutar, não para os calar. É que há sempre quem ache que nós estávamos bem melhor era caladinhos. Qualquer dia somos nós.

Advogado e vice-presidente do CDS

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.