Premium e-Toupeira deixa a marca Benfica "doente" e adeptos preocupados

O especialista Carlos Coelho considera que foram atacados os princípios básicos da marca Benfica e fala do impacto nos patrocinadores. Telmo Correia diz que adeptos estão apreensivos mas que não vão desmobilizar.

A SAD do Benfica viveu nesta semana o momento mais turbulento dos seus 18 anos de existência, com a acusação que foi deduzida pelo Ministério Público no âmbito do e-Toupeira, relativo a alegadas fugas de informação judicial protagonizadas pelo assessor jurídico Paulo Gonçalves. Trata-se de algo inédito no desporto português, que coloca a sociedade encarnada numa situação de fragilidade no mercado, com impacto imediato no valor da marca e efeitos imprevisíveis no futuro.

É pelo menos essa a ideia expressa ao DN por Carlos Coelho, presidente da Ivity Brand Corp, agência especialista em criação e gestão de marcas. "Este caso tem um impacto muito grande na marca Benfica, pois os fatores de desvalorização têm origem em situações que afetam os seus níveis mais profundos", começa por explicar, fazendo uma analogia curiosa que serve para explicar as consequências do caso: "Imaginem o tronco de uma árvore. A parte do sentimento clubístico situa-se na camada exterior do tronco, enquanto na zona central, a mais protegida, estão os princípios básicos de dignidade humana, honestidade e desporto no sentido nobre do termo."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.