Às vezes Ilda Rodrigues perguntava-se: "Porque é que o meu pai me bate?"
Premium

stress pós-traumático

Guerra Colonial. Os traumas herdados pelos filhos dos ex-combatentes

Passados quase 45 anos sobre o final do conflito com as colónias africanas (1961-1974) ainda há feridas que sangram. A guerra deixou marcas nos ex-combatentes que as passaram para os filhos, vítimas de stress pós-traumático secundário. Histórias de quem não combateu mas herdou outras guerras para travar.

"As piores palavras que ouvi na minha vida foram ditas pela boca do meu pai. Chamou-me de tudo, as coisas mais asquerosas que se possa imaginar." Entre os muitos insultos que o pai lhe dirigiu e as tareias que lhe deu, há uma coisa que Diana não esquece: "Um dia disse-me 'podes sair daqui e dizer que te fiz tudo, só não foste violada'. Disse-me isto na cara."

Diana não esquece, mas perdoa. Perdoou o pai na morte - porque, apesar de ter tanto medo dele que chegava a desmaiar só pela sua presença, e de ter desenvolvido uma infeção no estômago e nos intestinos porque as horas das refeições eram as piores, gostava muito dele. Era o seu pai. O melhor pai do mundo até aos 11 anos, diz. O homem carinhoso que tratava dela e a levava à escola quando a mãe estava a trabalhar. E perdoou-o porque teve coragem de lhe dizer tudo, de bom e de mau. Que ele a maltratava, que era mau, mas também que, ainda assim, o amava.

"Nunca deixei de gostar dele, era o meu pai. E havia certas particularidades que recordo com uma boa sensação. Tentei sempre mudá-lo, tentei falar com ele quando estava sóbrio ou quando não estava, a bem ou a mal, pedi-lhe que mudasse e aproveitasse a vida de outra maneira."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.