Premium Inauguração do pavilhão "Os Portugueses no Mundo" na Exposição do Mundo Português

O tema ocupa quase metade da capa do DN de 9 de julho de 1940. Com a Europa já em guerra, o Estado Novo tentava a afirmação à beira-Tejo, em Lisboa, com aquela que foi até à Expo'98 a maior exposição do género em Portugal.

O momento era solene e "até Belém foram ontem inúmeras e altas personalidades", como contava o Diário de Notícias: "Os senhores ministro das Colónias e encarregado de Negócios da Roménia", recebidos à porta do "certame" pelo então diretor do DN, Augusto de Castro, comissário da Exposição do Mundo Português.

Tratava-se da inauguração do pavilhão dedicado à presença dos portugueses no mundo, uma área-chave da exposição. Na primeira página do DN, em corpo de letra com a dignidade devida ao diretor do jornal, surge uma citação do discurso de Augusto de Castro: "Não está aqui dentro apenas o símbolo dum território, o clarão imenso duma projeção geográfica universal. Está mais do que isso: está o milagre que há oito séculos dá ao nosso génio, como fronteiras, o impossível."

A cerimónia decorreu ao final da tarde, em cima das 18 horas, e Augusto de Castro discursou tendo o arquiteto-chefe da exposição, Cotinelli Telmo, ao seu lado "no átrio do formoso e imponente pavilhão, junto à estátua da 'soberania portuguesa'". O discurso, com passagens como "... o nosso crédito sobre a civilização universal ainda não está esgotado. Somos credores do mundo", está transcrito na íntegra na primeira página do DN.

A Exposição do Mundo Português, exposição de Belém como lhe chamava o DN, tinha sido inaugurada dias antes, a 23 de junho de 1940. Com a Europa a viver o primeiro ano da Segunda Guerra Mundial, o Portugal do Estado Novo celebrava a fundação do país (1140), a restauração da independência (1640), mas sobretudo a afirmação do regime. A exposição ocupava uma área de mais de 500 mil hectares entre as margens do Tejo e o Mosteiro dos Jerónimos, e serviu de pretexto para a renovação urbana da zona ocidental de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.