DN+ Inauguração do pavilhão "Os Portugueses no Mundo" na Exposição do Mundo Português

O tema ocupa quase metade da capa do DN de 9 de julho de 1940. Com a Europa já em guerra, o Estado Novo tentava a afirmação à beira-Tejo, em Lisboa, com aquela que foi até à Expo'98 a maior exposição do género em Portugal.

O momento era solene e "até Belém foram ontem inúmeras e altas personalidades", como contava o Diário de Notícias: "Os senhores ministro das Colónias e encarregado de Negócios da Roménia", recebidos à porta do "certame" pelo então diretor do DN, Augusto de Castro, comissário da Exposição do Mundo Português.

Tratava-se da inauguração do pavilhão dedicado à presença dos portugueses no mundo, uma área-chave da exposição. Na primeira página do DN, em corpo de letra com a dignidade devida ao diretor do jornal, surge uma citação do discurso de Augusto de Castro: "Não está aqui dentro apenas o símbolo dum território, o clarão imenso duma projeção geográfica universal. Está mais do que isso: está o milagre que há oito séculos dá ao nosso génio, como fronteiras, o impossível."

A cerimónia decorreu ao final da tarde, em cima das 18 horas, e Augusto de Castro discursou tendo o arquiteto-chefe da exposição, Cotinelli Telmo, ao seu lado "no átrio do formoso e imponente pavilhão, junto à estátua da 'soberania portuguesa'". O discurso, com passagens como "... o nosso crédito sobre a civilização universal ainda não está esgotado. Somos credores do mundo", está transcrito na íntegra na primeira página do DN.

A Exposição do Mundo Português, exposição de Belém como lhe chamava o DN, tinha sido inaugurada dias antes, a 23 de junho de 1940. Com a Europa a viver o primeiro ano da Segunda Guerra Mundial, o Portugal do Estado Novo celebrava a fundação do país (1140), a restauração da independência (1640), mas sobretudo a afirmação do regime. A exposição ocupava uma área de mais de 500 mil hectares entre as margens do Tejo e o Mosteiro dos Jerónimos, e serviu de pretexto para a renovação urbana da zona ocidental de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

João Almeida Moreira

DN+ Cadê o Dr. Bumbum?

Por misturar na peça Amphitruo deuses, e os seus dramas divinos, e escravos, e as suas terrenas preocupações, o dramaturgo Titus Plautus usou pela primeira vez na história, uns 200 anos antes de Cristo, a expressão "tragicomédia". O Brasil quotidiano é um exemplo vivo do género iniciado por Plautus por juntar o sagrado, a ténue linha entre a vida e a morte, à farsa, na forma das suas personagens reais e fantásticas ao mesmo tempo. Eis um exemplo.