Premium Natalie Portman: "Neste filme arrisquei imenso, mas nunca tive tanta liberdade"

Estreia-se amanhã um dos mais provocantes títulos do ano. Chama-se Vox Lux e é um filme-choque de Brady Corbet, com Natalie Portman a fazer de insuportável pop star americana. Uma entrevista com a atriz e o realizador.

"A Madonna vive em Lisboa!? Nem acredito! Que interessante... É por causa do filho? Tão fixe...", diz-nos Natalie Portman mal chega à ronda de entrevistas do filme de Brady Corbet, o perturbante Vox Lux, um dos mais intrigantes filmes independentes americanos que vamos ver em 2019. Corbet, que está ao seu lado, dá corda ao fascínio lisboeta: "Come-se tão bem lá. Amo Lisboa!"

Em Vox Lux, Portman interpreta uma cantora pop de música eletrónica para adolescentes, uma espécie de Miley Cyrus. Ela canta, dança e comporta-se como uma estrela diva cheia de tiques. Uma interpretação tão em modo de tour de force que terá ficado à porta das honrarias da temporada dos prémios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.