Premium

EUA

Seis mulheres querem tirar Trump da Casa Branca. Para já

Pela primeira vez na história dos EUA há mais do que uma mulher a disputar a nomeação de um grande partido para as presidenciais de 2020. Para já são seis: Kamala Harris, Elizabeth Warren, Kirsten Gillibrand, Tulsi Gabbard e Marianne Williamson. A última a juntar-se ao clube foi Amy Klobuchar. São todas democratas.

Quando os americanos forem às urnas em 2020 para escolher o presidente, fará um século que as mulheres tiveram pela primeira vez o direito de voto naquele país. E, se é verdade que ainda faltam quase dois anos, a corrida à nomeação democrata é já a mais feminina de sempre. São seis as mulheres que anunciaram a candidatura: a Kamala Harris, Elizabeth Warren, Tulsi Gabbard, Kirsten Gillibrand e Marianne Williamson juntou-se no domingo Amy Klobuchar. Casadas, divorciadas, mães, avós, com idades entre os 37 e os 69 anos, todas têm o mesmo objetivo: vencer a nomeação democrata e tirar Trump da Casa Branca, tornando-se a primeira mulher presidente dos Estados Unidos.

"Toda a minha carreira ouvi dizer 'as pessoas não estão prontas, não chegou o teu tempo, nunca uma pessoa como tu fez isto'", explicava Harris num encontro com a população, há dias, no Iowa. Para logo acrescentar: "As pessoas que votam, as pessoas que vivem neste país, são mais inteligentes do que isso." O pequeno estado do Midwest é tradicionalmente o primeiro a votar nas primárias, começando a atrair candidatos muitos antes do dia dos caucus - as assembleias populares que decidem o nomeado de cada partido, previstas para 3 de fevereiro 2020.

"Uma pessoa como" Kamala Harris é uma filha de imigrantes - ele jamaicano, ela indiana -, uma mulher que se inspirou na mãe, especialista em cancro e ativista, para uma carreira que começou no Direito mas cedo passou para a política. Uma mulher que enquanto procuradora em São Francisco se notabilizou pela luta contra o tráfico de droga. Uma progressista que se empenhou na defesa do ambiente, na luta pelo casamento entre homossexuais e na proteção do Obamacare (a reforma da saúde do ex-presidente Barack Obama que deu seguro a mais 20 milhões de americanos).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.