Algoritmo e mulheres nuas

Na minha infância, quase não havia pronto-a-vestir; por isso, a minha irmã e eu íamos às lojas de fazendas da Baixa, e era frequentemente no saudoso Eduardo Martins que escolhíamos o xadrez para os kilts desse Inverno, numa espécie de livros de amostras com remate em ziguezague de que ainda hoje sinto saudades. Comprados os forros, os fechos e as fivelas (com o desconto que a minha mãe nunca se esquecia de pedir, fazendo-nos corar), partíamos então dali as três para a modista, que tinha na sala uma cristaleira atafulhada de budas e usava, qual mestra de vudu, uma pulseira almofadada cravada de alfinetes.

Embora tenha um amigo que aprendeu a contar até 150 na fita métrica da mãe com apenas três anos - e isso me leve a ter um fraquinho por modistas -, a diversidade do vestuário que chegou a Portugal com a entrada na CEE e, mais tarde, a possibilidade de comprarmos qualquer peça de roupa com meia dúzia de cliques no teclado de um computador vieram, realmente, simplificar-nos a vida e enchê-la de colorido. Para mim, que sofrera carradas de desilusões por nunca encontrar sapatos à medida, tornou-se um milagre chegar a casa, ir à loja virtual de umas botas que andei a namorar à hora de almoço e encontrar aquele número que só calçam mesmo os pigmeus (e eu) para envio imediato. (E, não se riam, já me aconteceu o mesmo com um soutien.)

Esta vantagem tem, no entanto, um inconveniente associado, que é o de deixar por aí a minha pegada de Cinderela: agora, de cada vez que vou à Internet, o ecrã do meu computador transforma-se numa autêntica sapataria e só me apetece dar uma biqueirada no algoritmo. Mas há pior...

Na editora onde trabalho, publicámos um livro infantil sobre a amizade e decidimos dedicar-lhe um passatempo num site para crianças que regista todos os dias centenas de visitas. Estava eu, certa noite, a trabalhar no computador de casa quando vi que me tinham mandado um e-mail para aprovar o grafismo da inserção. Porém, ao clicar no link, apanhei um susto: é que, junto à capa do livro, desfilavam, praticamente nuas, várias modelos de uma marca de lingerie - o que, num site para miúdos, podia causar problemas. Disse-o à minha interlocutora, que tentou sossegar-me, explicando que no seu ecrã só via Volvos, talvez por andar a pensar em trocar de carro. E foi então que me lembrei do dito soutien... Ai, algoritmo de um raio! Mas então... E se no mesmo computador em que as crianças estudam, lêem e jogam alguém consumir regularmente pornografia? Adeus, futuro.

Editora e escritora. Escreve de acordo com antiga ortografia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.