A doença endémica que as mata

Um homem esfaqueou a sogra, estrangulou a filha e suicidou-se. Uma tragédia: dois mortos. Com todo o respeito pelas vidas humanas, duas mortes. Duas. Um inominável coiso não se conta, não se soma, não se junta às suas vítimas. Que, aliás, são três: a ex-mulher do coiso, filha e mãe das vítimas, vai carregar as mortes delas numa longa e insuportável dor. Aparentemente, foi por ela, a sobrevivente, que o coiso matou. Para ela se lembrar e afligir-se longamente.

Pelo tipo da brutalidade, chamei inicialmente homem ao coiso. Porque, apesar de ele ser um coiso, foi levado para o seu ato por ser um homem. Comecei por lhe chamar "um homem" para sublinhar, no caso, a importância dessa condição. Ser homem não é, evidentemente, condição suficiente para um homem punir a sua mulher com violência e morte, mas ser homem, aqui e hoje, tem alguma influência para que se chegue a essa situação bruta e indigna. O aqui não desculpa mas explica: afinal, no nosso país, ser igual para as mulheres é uma conquista recente e em construção. O hoje não tem explicações nem desculpa: é tão, tão anacrónico esse comportamento...

Em Portugal, habitualmente e com incidência significativa, homens batem e matam as suas mulheres. Servi-me, de propósito, da definição científica de doença endémica porque é disso que se trata. Numa dada população (casais), e numa região (Portugal), há uma doença habitual que se propaga por contágio: um vírus com pilinha, por tradição familiar, conversa de bar e de trabalho, afirmações de poderosos irresponsáveis, enfim, ignorância antiga, contamina e mata. E regularmente. Para isto ganhar estatuto de estudo científico - e concluirmos de vez que a violência doméstica nos é endémica - faltava conhecer a quantidade das ocorrências e se a sua incidência é habitual e significativa. Eis o que ficou provado nesta semana.

Nesta semana, um juiz foi julgado e condenado levemente - e quando coisas destas acontecem, o "levemente" esquece-se, o que importa é a novidade de um juiz ter sido "advertido". No ano passado, ele inoculara de forma virulenta entre a população portuguesa o tal germe patogénico da pilinha. Infetou produzindo numa sentença, isto: "O adultério da mulher é um gravíssimo atentado à honra e dignidade do homem." E: "Sociedades existem em que a mulher adúltera é alvo de lapidação até à morte." E: "Na Bíblia, podemos ler que a mulher adúltera deve ser punida com a morte." Doses fortes, pois.

Na minha infância, havia uma banda desenhada americana que tinha um herói chamado Brucutu. Era um simpático troglodita que andava sempre com a sua moca de pedra, arrastando da caverna a sua mulher, puxada pelos cabelos. Por falar nisso, o homem que tinha ido a tribunal, no julgamento que levou ao douto parecer do juiz agora julgado e advertido, agredira a mulher com uma moca de pregos, tentando arrastá-la para casa. Ao não dar o exemplo de Brucutu, talvez o juiz tenha livrado gente como eu a não ficar tentado pelo surto epidémico que por cá grassa. Mas o que dizer dos outros exemplos que o juiz deu? Que influência tiveram?

Um dos elementos da definição de doença endémica, já vimos, é a recorrência com que ela aparece. Nesta semana em que o juiz foi julgado aconteceu mais um homem a matar (literalmente) a sogra e a filha e a matar (metaforicamente) a mulher. Ora, por cá, as semanas que leva o ano são o número de mulheres já mortas pelos homens. O que juntou no mesmo espaço de tempo as palavras impensadas do juiz e o ato bruto do coiso. Destino, acaso, mera coincidência? Nada disso, inevitabilidade matemática: qualquer coisa, rara como um juiz julgado ou habitual como um jogo de futebol, tem fortes chances de acontecer com morte de mulher por homem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.