Premium Família trava transladação de Soares para o Panteão

Mário Soares morreu a 7 de janeiro de 2017 e um ano depois surgiu no Parlamento, por iniciativa de um deputado do PS, a ideia de transladar os seus restos mortais para o Panteão. O mesmo PS prepara-se agora para travar o processo.

O PS vai recuar na intenção de transladar Mário Soares para o Panteão Nacional. Dois diplomas aguardam agendamento no Parlamento e assim ficarão, naquilo que constituirá objetivamente um veto de gaveta. A ideia já tinha merecido apoio do Presidente da República. E na sequência dela o PSD propôs o mesmo para Francisco Sá Carneiro, o que Marcelo Rebelo de Sousa também apoiou.

Um dos diplomas é um projeto de resolução que tem como primeiro subscritor o deputado socialista Júlio Miranda Calha e pelo qual se determina a "concessão de honras do Panteão Nacional ao Presidente Mário Soares". A seguir à assinatura de Miranda Calha - um dos dois sobreviventes da Constituinte ainda em funções na Assembleia da República (o outro é Jerónimo de Sousa) - constam as de outros deputados do PS (Sérgio Sousa Pinto, Bacelar de Vasconcelos ou o próprio Carlos César, por exemplo), mas também do PSD, começando pela do atual líder da bancada, Fernando Negrão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.