Premium O som do silêncio

Na praia da Barra, onde morei durante quatro anos, era o vento, o grasnar das gaivotas e, de vez em quando, o mar.

Em Florença, onde fiz o doutoramento, chegava dos sinos distantes, das vozes estranhas e desesperadas do hospital psiquiátrico em frente e dos comboios a passar (aprendi que até os comboios podem transportar silêncios).

Em Lisboa o silêncio esconde-se, mas anda por aí, nos pássaros que debicam a nespereira do vizinho, nos rádios sintonizados em estações distantes, nos pés que se arrastam lentamente pelo soalho, nas asas dos pombos, nos gatos que são silêncios de quatro patas. A vizinha suspira, ou sou eu que invento o suspiro, alguém canta ou sou eu que invento melodias.

Nuno Camarneiro

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.