Premium Magic Leap One. O que é este gadget de que toda a gente fala?

Foram disponibilizados esta quarta-feira e, por enquanto, não são uma versão final ou têm disponibilidade além dos Estados Unidos. Mas, afinal, o que é que este Magic Leap One vai trazer de novo ao mundo tecnológico?

Em primeiro lugar, troquemos as palavras Magic Leap One "por miúdos": trata-se de um dispositivo de realidade aumentada, que permite a quem o usa ter acesso a uma visão bem mais dinâmica do mundo. É com um headset destes que se torna possível ver coisas que não existem na realidade, como estar sentado no escritório e descobrir um pequeno gnomo a passear, fundindo um mundo digital com o mundo real. Ao contrário da realidade virtual, que isola o utilizador, a ideia é mesmo a de juntar os dois ambientes, com o utilizador a ter sempre noção do sítio onde está.

Há muito que estes Magic Leap eram uma promessa no horizonte do mundo dos gadgets - anos, se formos a quantificar. E isso causou dissabores à empresa, também ela chamada Magic Leap, criada em 2011, que foi várias vezes acusada de apenas prometer um produto, sem apresentar nada de concreto.

Ao longo destes anos de promessa, que finalmente se materializaram neste headset, a empresa conseguiu arrecadar investimentos de grandes vultos do mundo tecnológico: em 2014, a Google investiu 542 milhões de euros na empresa liderada por Rony Abovitz; depois disso, também a chinesa Alibaba ou a J.P Morgan investiram na Magic Leap. No total, os investimentos conseguidos pela Magic Leap ultrapassaram os dois mil milhões de dólares, tudo na tentativa de atingir a visão criada para o headset.

No final do ano passado, a Magic Leap anunciava que o headset seria lançado algures em 2018, depois foi especificado que seria no verão, disponibilizando um site para se receber novidades quando o Magic Leap One entrasse em modo de pré-venda.

Agora que já estão oficialmente à venda, ainda que neste modo de edição especial, o preço surpreendeu muita gente: só estão disponíveis nos Estados Unidos, apenas em determinadas zonas, e custam 2300 dólares, o equivalente a 1982 euros.

O conjunto deste gadget é composto por três peças: o headset em si, chamado Lightwear, um pequeno computador "wearable", para fazer o processamento da informação, que recebeu o nome de Lightpack, e um comando, para que possa interagir com aquilo que está a ver.

O headset Lightwear tem pequenas câmaras, para que seja possível fazer o mapeamento do ambiente que tem à volta, além de câmaras na parte interior, que têm como objetivo acompanhar o movimento dos olhos de quem o está a utilizar.

Na parte da frente, há duas grandes lentes redondas - que, segundo o líder da equipa de design, Gary Natsume, têm como objetivo tornar-se na imagem de marca deste gadget, sendo facilmente reconhecíveis, contou ao The Verge. Há ainda uma entrada jack, para que seja possível ligar uns auscultadores; para quem os dispensar, o headset tem também pequenas colunas que se vão situar próximo das orelhas.

Falemos sobre o pequeno computador - que tem mesmo como objetivo ser colocado no bolso de quem está a utilizar o Magic Leap One. Conta com um processador Nvidia Tegra X2, 8 GB de memória, 128 GB de armazenamento e uma bateria cuja autonomia promete rondar as três horas de utilização.

Quem conseguir comprar os Magic Leap One, não vai ter muita coisa com que se entreter, pelo menos por enquanto. Esta primeira edição, que se destina a designers, artistas e programadores, chega acompanhada de um pequeno número de experiências de realidade aumentada. Há uma colaboração com a banda islandesa Sigur Rós, chamada 'Tónandi', que serve para demonstrar a tecnologia de som envolvente que integra os óculos.

Também há uma aplicação chamada Create, um espaço para os utilizadores darem largas à imaginação. Os utilizadores vão ainda poder aceder a um jogo de tiros chamado 'Dr. Grordbort"s Invaders'.

Por enquanto, estes Magic Leap vão poder mostrar o potencial da realidade aumentada noutro tipo de suporte - a capacidade de envolvimento é maior num headset deste género do que no ecrã de um smartphone, claro. Resta saber quando é que se passará de uma versão dedicada a criadores a uma versão de consumo, com uma disponibilidade mais abrangente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.