A associação que ajuda portugueses na Venezuela: "Uma reforma já não dá para um frango"

É uma associação que está à beira de assinalar 50 anos, a Sociedade de Beneficência de Damas Portuguesas. Têm em mãos cerca de 40 casos, muito difíceis, de madeirenses carenciados. Alimentos, medicamentos, próteses, cirurgias e até roupa são as ajudas que prestam.

António (nome fictício), natural da Madeira, é uma das pessoas que regularmente recebem ajuda da Sociedade de Beneficência de Damas Portuguesas. São cerca de quatro dezenas nestas circunstâncias. Apenas uma é oriunda de Portugal continental, as restantes são da Madeira. Há mais gente com problemas gravíssimos, mas não há possibilidade de ajudar. E são carências de vária ordem.

A atual presidente está há dez anos na associação. A primeira entrevista que Fátima Pita dá é ao Diário de Notícias da Madeira. E fá-lo por causa das pessoas que precisam. Quem está na instituição assume a causa, é para ajudar. E perante tamanhas necessidades, não só por razões económicas mas também por problemas de saúde, a ajuda que é dada, reconhece, "é pouca, muito pouca". Há gente que bate à porta a pedir alimentos, roupa, medicamentos, dinheiro para uma cirurgia ou uma prótese. Há gente que vive sozinha, "os filhos já emigraram, mas ainda não têm possibilidades de mandar algum dinheiro". Um recomeço de vida fora do país nem sempre fácil.

Fátima Pita fala da existência de "fome, muita fome" entre elementos da comunidade madeirense. "Não têm como comprar um quilo de farinha. Vê-se na cara que passam grandes necessidades." A presidente lembra-se em particular de uma senhora que "se vê que passa fome", mas o que dói mais "é quando há crianças".

Todos os elementos da direção fizeram questão de nos receber, diria até, com solenidade na sede da instituição. Demonstra a importância que dão à visita do Diário de Notícias da Madeira. Pedem para agradecer publicamente. "Demonstra que não se esqueceram de nós neste momento particularmente difícil." Trabalham em equipa. Na mesa ao lado há café e biscoitos. À medida que a presidente falava recebia a concordância e achegas dos outros membros da junta diretiva: "Muitos casos já nem querem dinheiro, querem comida. Uma reforma não dá para um frango."

O "filho predileto" da Sociedade de Beneficência é o Lar Padre Joaquim Ferreira, que acolhe os mais velhos, cerca de 60, e que precisa também de apoio permanente. Uma instituição que "passa por uma situação muito, muito crítica", acentua Fátima Pita. O edifício precisa de obras, as canalizações têm de ser reparadas, os elevadores estão avariados. Além de um pedido de apoio extra, dirigido ao governo da Madeira e às autarquias, especialmente à do Funchal, sugerem também um apoio regular.

Além das ajudas que recebem de empresários, Fátima Pita dá conta de algumas iniciativas levadas a cabo para a recolha de fundos. São quatro as principais ao longo do ano. Um almoço em cada estação, sem esquecer o São Martinho, mas agora sem bacalhau nem azeite português, "é um luxo, mas um luxo dos grandes. O mais próximo que conseguimos arranjar foi um arroz de marisco". Há também bingo e bazares.

Já há o grupo das netas. Já têm iniciativas próprias com o objetivo de angariar fundos. Fazem voluntariado, por exemplo, junto dos mais velhos que estão institucionalizados. De pequenino... As Damas já preparam o cinquentenário da constituição da Sociedade de Beneficência. Um festival de restaurantes é uma das ideias que estão a ser pensadas.

Não baixam os braços, fazem das tripas coração para ajudar. No entanto, como sublinha a presidente, "as necessidades são quotidianas e permanentes. É verdade que sempre houve carenciados entre a comunidade, mas nunca como agora. Há muitas incertezas em relação ao futuro". Daí o apelo: "Por mais pequeno que seja o donativo, é sempre importante." Urgente.

Este texto foi originalmente publicado no Diário de Notícias da Madeira

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.