Salazar operado de urgência

A notícia fazia quase a totalidade da capa do Diário de Notícias, neste dia 7 de setembro de 1968. O estado de saúde de Salazar inspirava cuidado, mas o jornal tranquilizava os portugueses

A "notícia que emocionou o país" fazia quase o pleno da capa deste número: "Salazar operado de urgência". O DN informava logo, porém, que o último boletim médico dava conta de que a cirurgia fora bem sucedida e tudo decorria com normalidade na recuperação.

A notícia era apresentada como "inesperada e algo dramática". "À hora em que o trabalho normalmente se inicia, a Emissora Nacional espalhava aos quatro ventos (...) os termos de um boletim médico em que se anunciava que o professor dr. Oliveira Salazar havia sido submetido a uma intervenção cirúrgica." Notícia que, dada a seco e sem grandes explicações, "causou em todos os cantos da terra portuguesa um certo alarme, provocado pela profunda admiração, respeito e carinho que todos lhe consagram", escrevia o DN.

Detalhava-se em seguida o que levara à operação - na sequência de uma queda, a 3 de agosto, tendo batido com a cabeça mas fazendo desde então a vida normal, até que, nos tempos mais recentes, começara "a sentir perturbações que lhe afetavam principalmente a visão e os movimentos", considerando os médicos que o melhor era operar.

Descrevendo os sucessivos boletins médicos e as mensagens chegadas por telegrama de Espanha e do Brasil, entre outros, o jornal descansava o país afirmando que "tudo indica que o pós-operatório se processa normalmente". "O chefe de Estado, Américo Thomaz, permaneceu no hospital enquanto decorreu a intervenção", realçava o DN, acrescentando que "mensagens de ansiedade e votos de melhoras" haviam chegado "de todo o país e do estrangeiro".

Era o princípio do fim do regime, 40 anos depois. Vinte dias mais tarde, Salazar seria afastado do governo, sendo chamado para chefiar o governo Marcello Caetano, que viria a ser destituído no 25 de Abril de 1974.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?