Salazar operado de urgência

A notícia fazia quase a totalidade da capa do Diário de Notícias, neste dia 7 de setembro de 1968. O estado de saúde de Salazar inspirava cuidado, mas o jornal tranquilizava os portugueses

A "notícia que emocionou o país" fazia quase o pleno da capa deste número: "Salazar operado de urgência". O DN informava logo, porém, que o último boletim médico dava conta de que a cirurgia fora bem sucedida e tudo decorria com normalidade na recuperação.

A notícia era apresentada como "inesperada e algo dramática". "À hora em que o trabalho normalmente se inicia, a Emissora Nacional espalhava aos quatro ventos (...) os termos de um boletim médico em que se anunciava que o professor dr. Oliveira Salazar havia sido submetido a uma intervenção cirúrgica." Notícia que, dada a seco e sem grandes explicações, "causou em todos os cantos da terra portuguesa um certo alarme, provocado pela profunda admiração, respeito e carinho que todos lhe consagram", escrevia o DN.

Detalhava-se em seguida o que levara à operação - na sequência de uma queda, a 3 de agosto, tendo batido com a cabeça mas fazendo desde então a vida normal, até que, nos tempos mais recentes, começara "a sentir perturbações que lhe afetavam principalmente a visão e os movimentos", considerando os médicos que o melhor era operar.

Descrevendo os sucessivos boletins médicos e as mensagens chegadas por telegrama de Espanha e do Brasil, entre outros, o jornal descansava o país afirmando que "tudo indica que o pós-operatório se processa normalmente". "O chefe de Estado, Américo Thomaz, permaneceu no hospital enquanto decorreu a intervenção", realçava o DN, acrescentando que "mensagens de ansiedade e votos de melhoras" haviam chegado "de todo o país e do estrangeiro".

Era o princípio do fim do regime, 40 anos depois. Vinte dias mais tarde, Salazar seria afastado do governo, sendo chamado para chefiar o governo Marcello Caetano, que viria a ser destituído no 25 de Abril de 1974.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.