Premium Cinema, futebol e espaço social

Mesmo através de um qualquer "filme-acontecimento", a presença social do cinema foi diminuindo face ao poder mediático do futebol - eis uma grande questão cultural.

Permito-me colocar ao leitor uma pergunta de algibeira. E não por qualquer razão banalmente enciclopédica: falar ou escrever sobre cinema não tem nada que ver com saber muitos nomes de cor... Trata-se apenas de propor uma breve reflexão sobre a nossa visão social do cinema. A pergunta é: o que liga os filmes que a seguir refiro?

O primeiro chama-se Crooklyn, foi produzido em 1994, e propõe um retrato amargo e doce de uma família afro-americana em Brooklyn, Nova Iorque, na primeira metade da década de 70.

O segundo, Girl 6 (1996), observa de forma contundente, em tom de comédia negra, a evolução dos usos e costumes sexuais, tendo como personagem central uma jovem que trabalha numa rede de chamadas "eróticas"; nele encontramos nomes tão famosos como Prince (autor e intérprete das canções do filme) e Madonna (num pequeno papel).

Vem depois He Got Game (1998), uma das obras-primas do cinema americano do final do século XX, centrada na personagem de um afro-americano, interpretado por Denzel Washington, que está preso e tenta convencer o filho a seguir a sua vida universitária sem deixar de jogar basquetebol.

Enfim, citemos Bamboozled (2000), sátira subtil e implacável sobre as formas de manipulação das figuras afro-americanas em alguns programas da televisão dos EUA.

O leitor terá encontrado o fundamental elo de ligação entre tais títulos: foram, todos eles, realizados por Spike Lee, cineasta que continua a reflectir de forma fascinante sobre a complexidade das relações entre brancos e negros na América contemporânea - veja-se o seu novo e prodigioso BlacKkKlansman: O Infiltrado (há dias lançado nas salas portuguesas).

O certo é que há outra resposta possível à minha pergunta inicial. Para além de estarmos perante trabalhos de realização de Spike Lee, os quatro primeiros filmes partilham uma bizarra condição: não foram lançados nas salas portuguesas. Aliás, a lista de inéditos de Lee podia prolongar-se com mais alguns títulos, incluindo Chi-Raq (2015), drama musical sobre gangues de Chicago que usa matrizes da tragédia grega como ponto de partida.

Há outra maneira de dizer isto: apesar de BlacKkKlansman ser um invulgar objecto de cinema que nos convoca para os dramas actuais dos EUA, sob a presidência de Donald Trump, daí não resulta que, no nosso contexto social, o filme adquira a evidência mediática de que desfrutam as convulsões do futebol.

E ainda outra: na nossa sociedade, o valor do cinema (como objecto social, precisamente) tem sido metodicamente secundarizado, para não dizer anulado. Eis um estado de coisas que, por certo, implica muitos e complexos factores, desde as opções de fundo do mercado cinematográfico até aos comportamentos específicos dos espectadores.

Uma coisa é certa: mesmo através de um objecto como BlacKkKlansman, é cada vez mais escassa a possibilidade de um filme ser motor de uma qualquer reflexão sobre o mundo em que vivemos. Não poucas vezes, a chamada de atenção para os dramas culturais desta conjuntura atrai a ideia simplista segundo a qual o crítico de cinema é aquele que "espera" que os outros se reconheçam nos mesmos filmes que ele celebra...

Na verdade, tal preconceito é, também ele, produto de uma dinâmica social em que a agitação de umas eleições futebolísticas possui um poder mediático mais forte do que o labor criativo de um qualquer cineasta, Spike Lee ou qualquer outro. Escusado será dizer que não é possível transformar tudo isso sem pensar sobre o vasto mundo das imagens, o que nele se expõe e também o que nele se recalca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.