Premium Camané e Laginha: quando uma "gracinha" se transforma num disco a sério

Depois de meses na estrada, o fadista Camané e o pianista Mário Laginha lançam o disco Aqui Está-se Sossegado. A 20 de dezembro tocam no Coliseu de Lisboa.

O disco fecha com A Casa da Mariquinhas, aquela casa que "em vez de ter um piano tem na sala uma guitarra". E isso tem graça porque aqui não há guitarras. Nem uma para amostra. Só há voz e piano. E muito fado.

Camané e Laginha ouviram-se antes de se conhecerem e quando se juntaram pela primeira vez em palco, algures em 1998, perceberam imediatamente que esse seria só o primeiro de muitos encontros. "Conhecer, conhecer, acho que foi há 20 e tal anos, mas já nos cruzávamos por aí", recorda o pianista Mário Laginha. O fadista Camané corrobora: "A partir daí, pontualmente, fomo-nos encontrando e de vez em quando o Mário fazia uma orquestração para mim." Em 2008, Camané juntou a sua voz aos pianos de Laginha e Bernardo Sassetti no projeto Vadios e em 2013 Laginha compôs Ai Margarida, um dos temas inéditos do álbum de Camané. Ultimamente, juntavam-se em concerto duas ou três vezes por ano, "mas eram coisas isoladas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.