Premium O primeiro dia de Afonso Costa

Neste dia 8 de novembro de 1923, a crise política e os esforços de Afonso Costa para encontrar-lhe uma solução faziam notícia no DN.

"Neste momento ainda não se sabe qual a solução da crise. As conferências realizadas ontem pelo Sr. Dr. Afonso Costa representam apenas indicações. Durante o dia correram boatos, a maioria sem consistência. O Sr. Dr. Afonso Costa mantém o propósito de organizar o governo como entender, indo buscar os seus colaboradores onde lhe aprouver, sem atender a partidos."

A principal notícia do Diário de Notícias desde dia 8 de novembro de 1923 focava-se na crise política que já se arrastava há mais de um ano. Em 1922, Afonso Costa recusara formar governo por não ter apoio parlamentar, acabando por apoiar a eleição de Manuel Teixeira Gomes para Presidente. Um ano depois, a situação continuava por resolver.

O DN noticiava então o primeiro dia de Afonso Costa, que fora "dedicado a conferências importantes, entre as quais uma com o diretório nacionalista, em cujo partido procura colaboradores". E, tendo tido acesso ao próprio, o jornal confirmava as suas melhores intenções de encontrar a solução. "'Aquilo que posso dizer-lhe é que se trabalha! E quem trabalha é porque tem confiança', declarou o antigo líderdemocrático a um redator do Diário de Notícias."

Todo o seu empenho não chegaria, porém. Uma vez mais, por falta de apoio dos nacionalistas, tornaria a recusar formar governo, apoiando Álvaro de Castro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.