Premium O dia depois da derrota de Trump nas intercalares

Os republicanos podem ter perdido a Câmara dos Representantes, mas isso não é nada que deixe Donald Trump desanimado. O presidente prefere enaltecer a vitória daqueles que apoiou e não tem dúvidas de que o povo aprova o seu trabalho. Há novas estrelas na maioria democrata, mas Obama avisa que esta foi apenas uma vitória e há ainda muito a fazer. Eis os principais acontecimentos pós-intercalares.

O presidente dos Estados Unidos disse que as eleições de terça-feira seriam um teste à sua prestação, mas após os resultados que não lhe foram favoráveis acredita que não é ele o problema: afinal, aqueles que apoiou pessoalmente até vingaram, e no Senado a liderança republicana saiu reforçada.

Os democratas conseguiram recuperar o controlo da Câmara dos Representantes. Reação de Trump na conferência de imprensa? "As pessoas gostam de mim." Com um olhar muito próprio sobre a votação, em conferência de imprensa, o presidente americano sublinhou que os candidatos que apoiou tiveram grande sucesso: nove ganharam. "Não sei se alguma vez houve uma onda azul, mas podia ter havido. Acho que as pessoas gostam de mim, do trabalho que estou fazer."

Quem também reagiu aos resultados das intercalares foi o ex-presidente Barack Obama, que se mostrou feliz mas cauteloso: "A mudança de que precisamos não vem de apenas uma eleição", vincou, lembrando que isto é apenas o começo e que o trabalho continua.

Num comunicado postado nas redes sociais, Obama, que tivera uma participação ativa na campanha, felicitou ainda "um número recorde de mulheres e de jovens veteranos do Iraque e do Afeganistão", de "jovens líderes excecionais" e de "uma vaga de candidatos provenientes de minorias".

Esta foi uma alteração que os media por todo o mundo notaram e sublinharam, sobretudo no que respeita às mulheres. Da primeira negra eleita no Massachusetts a uma congressista sub-30 (para mais, nascida no Bronx e filha de uma porto-riquenha), há estrelas em ascensão na nova vaga democrata que o DN lhe apresenta aqui:

Depois de meses de tensão, o dia em que os democratas recuperaram a Câmara dos Representantes ficou ainda marcado pela saída de Jeff Sessions, com Trump a anunciar que Matthew Whitaker (até agora seu chefe de gabinete no Departamento da Justiça) será o substituto no cargo de procurador-geral dos EUA.

Sessions acedeu assim ao pedido de Trump, conforme explicou na carta divulgada pelos media americanos, em que sublinha os seus feitos, o orgulho que teve em servir o país e agradece ao presidente a oportunidade que lhe foi dada.

Os próximos tempos serão de avaliação e reposicionamento para Donald Trump, mas também para os democratas, que, conforme Obama fez notar, têm um logo caminho para fazer até à Casa Branca.

Aqui ficam nove perguntas e respostas para entender tudo sobre estas eleições intercalares americanas e os seus efeitos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.