Premium Sete marcas eternas de Ronaldo. O trintão mais caro de sempre

A saída do jogador português para a Juventus deverá oficializar-se durante a próxima semana, apesar do impasse nas últimas horas

Florentino Perez, o presidente do Real Madrid, não quer ficar como o mau da fita nesta história e exige que seja Ronaldo a assumir publicamente a vontade de sair. Com o craque de férias, o empresário Jorge Mendes gere o processo e já tranquilizou a Juventus: Ronaldo quer mesmo mudar-se para a Velha Senhora. Eis sete marcas que fazem do CR7 um jogador à parte de todos os outros.

Melhor marcador do Real Madrid

CR7 faz parte da história do Real Madrid. Um dos vários recordes batidos pelos merengues foi o de melhor marcador de sempre do clube: 450 golos em 438 jogos. Uma média superior a um golo por desafio. Esta marca foi batida em 2015, quando marcou ao Levante o seu golo 324 pelo Real, ultrapassando Raúl González (323). Ronaldo precisou "apenas" de 310 jogos para atingir esta marca - Raúl, 741 partidas.

O trintão mais caro de sempre

Ronaldo foi durante vários anos a transferência mais cara do futebol, quando no verão de 2009 o Real Madrid pagou 94 milhões ao Manchester United. Entretanto foi ultrapassado por Bale e Neymar, mas com a ida para a Juventus vai tornar-se o trintão mais caro - a Juve vai pagar cem milhões pela transferência. Até aqui o jogador na casa dos 30 mais caro era Bonucci, que na época passada trocou a Juventus pelo Milan por 42 milhões.

Mais golos em seleções europeias

Os quatro golos marcados por Ronaldo no Mundial da Rússia permitiram ao avançado português tornar-se o jogador de uma seleção europeia com mais golos apontados pelo seu país. São já 85 remates certeiros, número que lhe permitiu ultrapassar os 84 do húngaro Ferenck Puskas. À sua frente, a nível mundial, apenas o iraniano Ali Dei, que contabiliza 109.

Cinco Bolas de Ouro

Ronaldo já tem no seu museu particular sediado no Funchal cinco Bolas de Ouro, prémio da revista France Football que distingue anualmente o melhor jogador do mundo. E está neste momento empatado com Lionel Messi. CR7 ganhou em 2008, 2013, 2014, 2016 e 2017, ou seja, só a primeira não foi pelo Real Madrid - em 2008 atuava no Manchester United.

No clube das cinco Champions

Com a conquista de mais uma Liga dos Campeões em maio último, Ronaldo chegou ao restrito clube de futebolistas que já levantaram cinco Champions, casos de Di Stéfano, Paolo Maldini, Costacurta, Héctor Rial, Juan Alonso, Juan Santiesteban, Marquitos, Rafael Lesmes e José María Zárraga. À frente deste grupo só Gento, do Real Madrid, que venceu seis.

Nove golos a Buffon

Gianluigi Buffon é considerado um dos melhores guarda-redes de todos os tempos, mas o italiano que deixou a Juventus nesta época teve vários pesadelos com Cristiano Ronaldo. É que nos seis jogos em que se defrontaram, CR7 marcou-lhe em... nove ocasiões. O último foi na edição passada da Champions, de bicicleta, um golo que mereceu aplausos dos adeptos... da Juventus.

25 títulos e um Europeu

Ronaldo conseguiu aos 31 anos o seu primeiro troféu pela seleção nacional, com a conquista do Campeonato da Europa na prova realizada em França. Já a nível de clubes o seu palmarés é bem mais recheado, com um total de 25 títulos. Além das cinco Champions, CR7 tem três campeonatos de Inglaterra pelo Manchester United e dois de Espanha ao serviço do Real Madrid.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.