Premium PS e PSD votam juntos, mas contradizem-se

Os dois maiores partidos portugueses aprovaram, na sexta-feira, uma diretiva europeia que os seus eurodeputados criticaram muito em Bruxelas

Ana Gomes e Carlos Coelho são os eurodeputados especialistas do PS e do PSD, respectivamente, pelas políticas de segurança de fronteiras e combate ao terrorismo. Quando a proposta de directiva europeia para a criação de um "registo de identificação de passageiros" chegou ao Parlamento Europeu, nenhum dos dois concordou com ela.

A mesma directiva foi votada, esta sexta-feira, no Parlamento português, mais de dois anos depois da discussão dos eurodeputados, e foi aprovada apenas com os votos do PS e do PSD. Esta é a grande contradição numa história que está longe de estar acabada.

O Passenger Name Record, conhecido pela sigla PNR, é uma das medidas europeias do "pacote de fronteiras", que visa dotar a UE de regras muito apertadas no controlo de movimentos dos cidadãos, com o objectivo de combater a ameaça terrorista. Será, caso venha a ser posta em prática, uma gigantesca base de dados que guardará por cinco anos um vasto conjunto de dados pessoais de todos os cidadãos - europeus ou não - que viajam de avião.

As críticas de Coelho e Gomes

O cérebro de toda esta operação estará em Estrasburgo, na agência europeia que recolhe dados - e que a maioria dos europeus desconhece: a EU LISA. Vista de fora, a agência de Estrasburgo parece ser apenas um edifício de um só piso, com alguns contentores ao lado e um parque de estacionamento. Mas tem a protegê-lo uma rede de metal com 3,5 metros e arame farpado. O que esta vedação protege é o que está escondido debaixo da terra, numa sala com 25 metros de comprimento e 15 de largura. É ali que cerca de 20 altas torres de servidores armazenam mais de 100 milhões de entradas com informação, incluindo dados pessoais.

Os dados do PNR vão ocupar a memória de alguns desses servidores. É um projecto que vai custar 500 milhões de euros e inclui não só dados de candidatos a vistos, viajantes de países terceiros, mas também toda a informação dos próprios cidadãos da UE que viajam de avião.

Ana Gomes, eurodeputada portuguesa do PS, assinou 19 propostas de emenda a esta directiva. As suas emendas foram todas rejeitadas. " Porque é que os Estados-Membros, em vez de apresentarem o PNR como uma bala mágica, não financiam adequadamente os serviços nacionais de informação?", perguntou a deputada no debate no Parlamento. "Tudo isto é para enganar os cidadãos", avaliou, depois.

O maior especialista português nestas matérias é Carlos Coelho, eurodeputado do PSD, que presidiu à comissão de inquérito aos voos da CIA e coordena a task-force de eurodeputados que está avaliar o estado das fronteiras externas da União. Coelho absteve-se na votação do PNR. "Não acredito que ter mais uma base de dados seja a solução. A minha proposta é pragmática: devíamos melhorar as bases de dados que já temos." O eurodeputado absteve-se na votação e fez ouvir a sua discordância, escrevendo sobre o tema e dando uma longa entrevista ao consórcio de jornalistas Investigate Europe (que o DN agora integra) explicando as suas objecções.

"Sociedade ultra-vigiada"

A rejeição do PNR (que foi também partilhada pelos eurodeputados do PCP, BE e Marinho Pinto) não foi particularmente uma causa partidária. No resumo das opiniões dos eurodeputados portugueses, feito pelo Parlamento Europe, salta à vista a concordância nas críticas ao diploma. A grande razão para isso, como se depreende pelas palavras de Carlos Coelho, está na criação de mais uma base de dados que põe em causa a privacidade dos cidadãos para combater um perigo que podia ter uma resposta mais eficaz com outro tipo de medidas.

O supervisor da protecção de dados na Europa é o professor de Direito italiano Giovanni Buttarelli. Para ele, "o desenvolvimento de um sistema deste tipo levanta questões sérias de transparência e proporcionalidade, e pode levar a um caminho em direcção a uma sociedade ultra-vigiada".

O seu número dois, Wojciech Wiewiorowski é polaco e ocupa a vice-presidência da Autoridade Europeia de Protecção de Dados: "Até agora ninguém demonstrou a utilidade do PNR para nada. Ou sequer que seja uma base de dados possível de usar. O que sabemos apenas é o que é dito oficialmente: Funciona muito bem, mas daremos notícias assim que começar a funcionar."

O eurodeputado que criou as regras de protecção de dados na legislação europeia, o alemão Jan Albrecht, é ainda mais duro: "Este sistema PNR é uma falsa solução, baseada numa obcessão política errada com vigilância de massas."

Do outro lado, dos defensores, encontrava-se o primeiro-ministro francês Manuel Valls, que discursou no plenário de Estrasburgo em 2016 para pressionar os eurodeputados a aprovar a directiva.

Em França, o jornal online Mediapart explicava um detalhe: a principal empresa beneficiária dos contratos com o Estado francês, caso o PNR avançasse, seria a francesa Safran, que emprega mais de 3000 funcionários em Evry, um subúrbio de Paris. Valls foi presidente da câmara de Evry durante 11 anos, até chegar ao Governo, em 2012.

O DN continua a acompanhar este tema e publicará na próxima semana um longo trabalho do Investigate Europe sobre as falhas do PNR.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".