O que é um cheque cirurgia e como se usa?

O que é um vale-cirurgia?
O vale-cirurgia permite ao doente fazer a operação noutro hospital, que pode escolher entre os que lhe forem indicados nesses impressos.

Quando são emitidos esses vales?
A
lei define o tempo máximo que o hospital tem para operar o utente. Quando esse prazo está a terminar o doente tem direito a ir fazer a sua operação noutro hospital, e caso tenha recebido um vale-cirurgia, pode escolher entre hospitais públicos, privados e sociais incluídos na lista.

O doente tem de pagar mais por fazer a operação noutro hospital?
A cirurgia terá os mesmos custos como se fosse feita no hospital onde o doente foi inscrito para ser operado. O hospital de destino só vai cobrar as taxas moderadoras, isto no caso de não ser um utente isento.

E quem paga as deslocações?
O utente só tem de assegurar o transporte se escolher um hospital privado que não esteja na lista do vale-cirurgia e, ainda, se nessa lista existirem hospitais adequados na sua área de residência e escolher um hospital fora dessa zona. De resto, o hospital onde o utente foi inicialmente inscrito para cirurgia é responsável pelo seu transporte ao hospital de destino e respetivo retorno durante o processo de preparação da cirurgia, até três deslocações. Já o hospital onde vai fazer a operação é responsável por transportar o doente, de acordo com a sua condição clínica, depois da cirurgia, e se for preciso.

O que acontece se recusar o vale?
Quando o utente justifica a recusa, volta para a lista de espera, na mesma posição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."