Premium PSD e CDS querem auditoria obrigatória à gestão de bancos que recebam ajudas

A proposta foi apresentada ontem na comissão que vai votar as regras para a divulgação da lista dos grandes devedores das instituições socorridas pelo Estado.

O PSD e o CDS-PP juntam mais um ponto para discussão, com Bloco de Esquerda e PCP, ao projeto legislativo que pretende exigir a divulgação da lista de grandes devedores dos bancos. Os partidos querem que o texto, que será apreciado na quarta-feira na especialidade pelos deputados, obrigue a que se façam auditorias à gestão das instituições financeiras que recebam dinheiro do Estado. O objetivo é que as auditorias abranjam decisões de crédito, investimento, compra e venda de ativos.

Os dois partidos apresentaram o aditamento nesta segunda-feira, último dia para acrescentar novidades ao texto. "Como o próprio Parlamento já considerou necessário em situações passadas, justifica-se que sempre que o Estado venha a disponibilizar apoios públicos, se realize obrigatoriamente uma auditoria independente à gestão da instituição de crédito em causa", refere a proposta entregue na comissão de Orçamento e Finanças. O Banco de Portugal deverá ordenar a auditoria por uma entidade independente até um mês depois de recebidas as ajudas públicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.