Premium A grande festa do verão começa na Zambujeira

A Herdade da Casa Branca, nos arredores da Zambujeira do Mar, recebe neste ano dois dos maiores nomes da pop da atualidade, o americano Jason Derulo e o canadiano Shawn Mendes. Que comece o Meo Sudoeste!

Os espetáculos no palco principal só começam nesta quarta-feira, mas desde sábado que o espaço de campismo do Meo Sudoeste, "com lotação para mais de 20 mil pessoas, está esgotado", como confirmou ao DN o diretor do festival, Luís Montez. "Mais do que a música ou o cartaz, a grande imagem de marca deste festival é o convívio entre o público e o facto de ser um espaço de liberdade. Para muitas destas pessoas, esta é a primeira vez que estão sem os pais", refere o responsável, assegurando que em termos de segurança tudo está pensado: "Temos um miniquartel de bombeiros dentro do recinto, um hospital de campanha, presença constante da GNR e cerca de 200 seguranças privados que também pernoitam no campismo, o que acaba por reforçar todo o nível de segurança."

O perigo de incêndio, até pela relativa proximidade do fogo de Monchique, é assim desvalorizado por Luís Montez, não só porque "a temperatura já baixou", mas também porque, "além de um ou outro pequeno incidente, nunca ocorreu nenhum incidente desse género no recinto, onde água é o que não falta".

Neste ano e a exemplo do que já aconteceu na edição passada, haverá wi-fi em todo o recinto, campismo incluído, numa extensão total de 15 hectares e os pontos de carregadores de telemóveis foram novamente reforçados, "para os pais poderem falar com os filhos sempre que quiserem", diz com humor Luís Montez. E depois ainda tudo o resto: a roda gigante, os mergulhos na praia do canal, vigiada por nadadores-salvadores e com DJ para dar música aos banhistas durante a tarde ou os diversos workshops de artes plásticas, ofícios tradicionais ou de música, que terão lugar no espaço Santa Casa, uma tenda de circo situada no parque de campismo, onde também terão lugar duas curadorias de Capicua e Francisco Rebelo (dos Orelha Negra), em parceria, respetivamente, com a OUPA e a Associação Sons da Lusofonia, duas entidades habituadas a trabalhar com jovens nas áreas metropolitanas do Porto e de Lisboa.

Quanto a novidades, também há algumas, como faz questão de sublinhar Luís Montez, seja a remodelada área de restauração do festival, agora "equipada com uma nova e imensa esplanada", os "concertos-surpresa no campismo" ou a pista de carrinhos de choque instalada no recinto, sendo que neste caso é mesmo o facto de os carrinhos terem sido retirados e a mesma funcionar como discoteca ao ar livre, com "o DJ a pôr música na cabine".

Hip-hop e DJ

Mais de 20 anos cumpridos sobre a primeira edição do festival, está visto que já pouco resta do Sudoeste original. Nos últimos anos, os grandes concertos rock de outrora foram, aos poucos, sendo substituídos por propostas mais de acordo com os gostos das gerações mais novas que se tornaram o público-alvo do Meo Sudoeste, sejam eles as grandes estrelas do hip-hop internacional ou os mais conhecidos DJ da atualidade. A verdade é que tal mudança se revelou uma aposta ganha, como se comprova pelos recordes de público presente, com médias à volta das cem mil pessoas nas últimas edições, segundos os números da organização.

Depois da tradicional noite de receção ao campista, que teve lugar na terça-feira, num palco dentro do parque de campismo, ao som do produtor de funk brasileiro MC Fioti e dos DJ portugueses Francisco Cunha e Ben Ambergen, o festival arranca oficialmente hoje, quarta-feira, já com os três palcos do recinto principal em funcionamento, num dia no qual se destacam o rapper português Piruka, o artista colombiano de reggaeton J. Balvin ou a MC e dançarina luso-brasileira Blaya.

Já para quinta, 9, está guardado "um dos alinhamentos mais fortes" do festival, como o define Luís Montez, que junta a kizomba do angolano C4 Pedro ao R&B do americano Jason Derulo ou o hip-hop do nigeriano Wizkid com as batidas eletrónicas do DJ holandês Hardwell. "O Jason Derulo vai trazer um espetáculo à americana, com mais de 40 bailarinos em palco. Vai sem dúvida ser um dos momentos altos deste ano", garante o empresário, que também está "muito curioso com a atuação de Wizkid".

Na sexta, 10, serão novamente as batidas do hip-hop a marcar o ritmo do palco principal, com as atuações dos americanos Desiigner e Lil Pump e ainda da dupla composta por dois dos maiores nomes nacionais deste estilo musical: Sam the Kid e Mundo Segundo. Ainda de acordo com Luís Montez, "este dia tem andado taco a taco com sábado" no respeitante à venda de bilhetes, "o que comprova a atual força do hip-hop junto do público mais novo". Sim porque para sábado, 11, além do português Diogo Piçarra e das duplas de DJ Lemaître e Karetus, está reservado o grande cabeça-de-cartaz da edição deste ano, o canadiano e lusodescendente Shaw Mendes, que, com mais de dez milhões de discos vendidos em todo o mundo, foi considerado pela revista Time uma das Cem Pessoas mais Influentes de 2018.

Meo Sudoeste

Herdade da Casa Branca, São Teotónio/Zambujeira do Mar. 7 a 11 de agosto, de quarta-feira a sábado, 17h00. 55€ a 120€

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.