Andamos todos a fazer o mesmo no Instagram? Esta conta acha que sim

Supostamente, todos os perfis do Instagram são diferentes, certo? Mas há quem tenha reparado que há demasiadas semelhanças entre imagens partilhadas no Instagram - tantas que até dá para fazer uma conta só dedicada a agrupar imagens parecidas.

Chama-se Insta Repeat e prova que não há assim tantas fotografias únicas e inspiradoras no Instagram. Afinal, em mil milhões de utilizadores, alguma coisa haveria de sair repetida.

Com a primeira imagem a ser partilhada no início de junho, a Insta Repeat já conseguiu conquistar mais de 92 mil seguidores no Instagram, que contribuem ativamente com sugestões nos comentários.

Há imagens que são tão habituais no Instagram - como a fotografia tirada dentro de uma tenda, habitualmente com uma paisagem à frente - que já tiveram direito a vários "episódios" no feed de imagens.

A pessoa responsável pela conta Insta Repeat tem preferido ficar no anonimato, mas há sites como o Photoshelter que referem tratar-se de uma artista de 27 anos, que vive no Alasca, e que reparou nas similaridades entre as fotografias - principalmente aquelas que são partilhadas por influencers.

Através de e-mail, a responsável pela conta de Instagram refere que "o facto de viver num sítio popular e muito fotografado por viajantes mais aventureiros" a levou a criar a Insta Repeat - pelas inúmeras vezes em que via as mesmas imagens.

A primeira imagem partilhada no Instagram Insta Repeat é a de viajantes mais aventureiros numa canoa - temática que, aliás, é recorrente nas mais de 80 imagens que compõem o Insta Repeat. Terão sido as várias fotografias parecidas, tiradas em canoas, que despertaram a curiosidade na criadora da Insta Repeat, que ponderou várias vezes a ideia de criar esta conta, explica a criadora ao blogue da Photoshelter.

Todas as pessoas são mencionadas na respetiva fotografia que compõem o mural de semelhanças, para que possam ser atribuídos créditos. Há fotógrafos e influencers que não escondem o desagrado por serem mencionados nesta conta repleta de déjà-vus - alguns deles até chegam a bloquear a Insta Repeat, como é mencionado em algumas das imagens partilhadas e referido ao Photoshelter.

Ainda assim, esta não é a primeira vez que alguém repara que, em viagem, tiramos todos fotografias muito semelhantes para alimentar as redes sociais. O videógrafo Oliver KMIA fez justamente um exercício muito semelhante, em vídeo, que mostra os clichés de viagem. O resultado é este vídeo, chamado Instravel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.