Andamos todos a fazer o mesmo no Instagram? Esta conta acha que sim

Supostamente, todos os perfis do Instagram são diferentes, certo? Mas há quem tenha reparado que há demasiadas semelhanças entre imagens partilhadas no Instagram - tantas que até dá para fazer uma conta só dedicada a agrupar imagens parecidas.

Chama-se Insta Repeat e prova que não há assim tantas fotografias únicas e inspiradoras no Instagram. Afinal, em mil milhões de utilizadores, alguma coisa haveria de sair repetida.

Com a primeira imagem a ser partilhada no início de junho, a Insta Repeat já conseguiu conquistar mais de 92 mil seguidores no Instagram, que contribuem ativamente com sugestões nos comentários.

Há imagens que são tão habituais no Instagram - como a fotografia tirada dentro de uma tenda, habitualmente com uma paisagem à frente - que já tiveram direito a vários "episódios" no feed de imagens.

A pessoa responsável pela conta Insta Repeat tem preferido ficar no anonimato, mas há sites como o Photoshelter que referem tratar-se de uma artista de 27 anos, que vive no Alasca, e que reparou nas similaridades entre as fotografias - principalmente aquelas que são partilhadas por influencers.

Através de e-mail, a responsável pela conta de Instagram refere que "o facto de viver num sítio popular e muito fotografado por viajantes mais aventureiros" a levou a criar a Insta Repeat - pelas inúmeras vezes em que via as mesmas imagens.

A primeira imagem partilhada no Instagram Insta Repeat é a de viajantes mais aventureiros numa canoa - temática que, aliás, é recorrente nas mais de 80 imagens que compõem o Insta Repeat. Terão sido as várias fotografias parecidas, tiradas em canoas, que despertaram a curiosidade na criadora da Insta Repeat, que ponderou várias vezes a ideia de criar esta conta, explica a criadora ao blogue da Photoshelter.

Todas as pessoas são mencionadas na respetiva fotografia que compõem o mural de semelhanças, para que possam ser atribuídos créditos. Há fotógrafos e influencers que não escondem o desagrado por serem mencionados nesta conta repleta de déjà-vus - alguns deles até chegam a bloquear a Insta Repeat, como é mencionado em algumas das imagens partilhadas e referido ao Photoshelter.

Ainda assim, esta não é a primeira vez que alguém repara que, em viagem, tiramos todos fotografias muito semelhantes para alimentar as redes sociais. O videógrafo Oliver KMIA fez justamente um exercício muito semelhante, em vídeo, que mostra os clichés de viagem. O resultado é este vídeo, chamado Instravel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.