É a vida

Nuno Camarneiro

A conversa entrou pela janela do meu escritório esta manhã.

- Sabe, vim morar para aqui há 15 anos, o meu marido passou a vida toda a poupar para esta casa e só dormiu aqui uma noite, a primeira, quando chegámos. De manhã estava morto, coitadinho.

- Ai, não me diga...

- Ainda o ouvi dizer que queria voltar para a casa antiga, a gemer, até pensei que era um sonho, sabe que a quimio às vezes dá para isso... mas não era.

- Ai, é a vida...

- Para ele foi a morte...

- Pois é, mas a morte deles também é a nossa vida.

Seguiram os respectivos caminhos, rua abaixo e rua acima, e eu fiquei a pensar naquilo. As palavras das senhoras ecoavam ainda, como numa casa vazia.