Premium Aconteceu em 1972 - Os tiros de Munique ecoam e os Jogos Olímpicos prosseguem

O atentado que atingiu a equipa de Israel era destaque na primeira página do DN, tal como as comemorações da independência do Brasil que juntaram os governos dos dois países.

Sob o antetítulo "Enquanto os Jogos Olímpicos prosseguem", o Diário de Notícias fazia título na sua primeira página de 7 de janeiro de 1972 com "Os tiros de Munique ecoam pelo mundo inteiro". Era a cobertura noticiosa do atentado que nos dias 5 e 6 tinha abalado a cidade alemã onde decorriam as Olimpíadas. "Preces e marchas fúnebres no estado habituado ao clamor das vitórias", figurava logo depois, com as fotos das cerimónias fúnebres no estádio e de uma mulher a chorar a ilustrarem o tema. Morreram onze israelitas, um polícia alemão e cinco elementos do grupo terrorista palestiniano Setembro Negro que cometeu o ataque.

No topo da página surgia outra notícia importante que foi as comemorações da independência do Brasil. "Dois povos olham o futuro", era o título, com a foto de Marcelo Caetano e Emílio Médici, presidente do Brasil que, à época, vivia a ditadura militar. "Novo estilo de convívio entre duas nações independentes cuja história se inspira nos mesmos valores", afirmava então o político brasileiro na cerimónia que decorreu em São Paulo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.