Aviões levam de Cuba para os EUA 3000 a 4000 refugiados/mês

Na edição de 7 de novembro de 1965, o DN noticiava o acordo entre Washington e Havana para o transporte de refugiados cubanos para a América.

"A ponte aérea começará antes de 1 de dezembro", pode ler-se na primeira página do DN de 7 de novembro de 1965. Nesse dia o jornal dava conta do acordo entre Washington e Havana para o transporte de refugiados cubanos para os Estados Unidos. Estes, entre três mil e quatro mil pessoas, de acordo com o presidente americano Lyndon Johnson, seriam levados para a América em aviões fretados pelos EUA.

"Trata-se de um importante passo em frente para a aplicação das declarações que fiz a 3 de outubro ao povo cubano", lembrou Johnson. O presidente americano disse que todos os que procurassem refúgio nos EUA para fugir ao regime de Fidel Castro em Cuba o iriam encontrar.

"Esta continua a ser a política do povo americano", sublinhou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.