Premium Ferreira do Alentejo procura casas fechadas para instalar famílias luso-venezuelanas

Autarquia e empresas da região procuram fixar lusodescendentes para aumentar população e responder à falta de mão-de-obra no setor agrícola.

Técnicos da Câmara de Ferreira do Alentejo estão a percorrer todas as ruas do concelho para procederem ao levantamento de casas abandonadas e desocupadas. A autarquia quer colocar os imóveis no mercado de arrendamento ou venda para, assim, convencer famílias portuguesas regressadas da Venezuela a instalarem-se no concelho, com a possibilidade de serem recrutadas para trabalharem nas empresas da região.

Serão centenas - de acordo com estimativa do presidente, Luís Pita Ameixa - as casas envolvidas neste projeto, que começou a ganhar forma com a chegada dos primeiros 40 luso-venezuelanos à Herdade do Vale da Rosa. Trabalhadores que o proprietário da "casa", António Silvestre Ferreira, foi buscar à Madeira. Mas é preciso mais mão-de-obra num concelho que perdeu metade da população nos últimos 50 anos. Tem hoje pouco mais de oito mil habitantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.