Premium Ferreira do Alentejo procura casas fechadas para instalar famílias luso-venezuelanas

Autarquia e empresas da região procuram fixar lusodescendentes para aumentar população e responder à falta de mão-de-obra no setor agrícola.

Técnicos da Câmara de Ferreira do Alentejo estão a percorrer todas as ruas do concelho para procederem ao levantamento de casas abandonadas e desocupadas. A autarquia quer colocar os imóveis no mercado de arrendamento ou venda para, assim, convencer famílias portuguesas regressadas da Venezuela a instalarem-se no concelho, com a possibilidade de serem recrutadas para trabalharem nas empresas da região.

Serão centenas - de acordo com estimativa do presidente, Luís Pita Ameixa - as casas envolvidas neste projeto, que começou a ganhar forma com a chegada dos primeiros 40 luso-venezuelanos à Herdade do Vale da Rosa. Trabalhadores que o proprietário da "casa", António Silvestre Ferreira, foi buscar à Madeira. Mas é preciso mais mão-de-obra num concelho que perdeu metade da população nos últimos 50 anos. Tem hoje pouco mais de oito mil habitantes.

Ler mais

Exclusivos