Premium

drogas

Consumir droga não é crime há 20 anos. "Desafio hoje é a cocaína e o vício dos ecrãs"

Há 20 anos Portugal foi censurado por entidades ligadas à ONU por decidir descriminalizar a posse e consumo de droga. Agora é apontado como um exemplo. João Goulão foi um dos líderes desta mudança e aponta as novas prioridades deste combate.

Nas últimas duas décadas, o país passou de uma realidade em que a toxicodependência era um grave problema de saúde pública e criminal para uma situação em que as consequências do consumo deixaram de estar nas preocupações da sociedade. No ano em que surgiu a Estratégia Nacional de Luta contra a Droga - a lei foi aprovada a 22 de abril de 1999 era primeiro-ministro o atual secretário-geral da ONU António Guterres - foram registadas em Portugal 369 mortes relacionadas com o consumo de droga (na altura não era especificado quantos por overdose), tinham sido até esse ano diagnosticadas com sida 3239 pessoas e a droga mais consumida era a heroína. Estavam em tratamento 27 750 indivíduos.

Em 2017, segundo os dados mais recentes divulgados, a droga com maior apreensão foi a canábis, dos 313 óbitos cujas autópsias detetaram o consumo de droga, 38 aconteceram por overdose. Foram notificados 1068 casos de infeção por VIH relacionados com a toxicodependência e 234 casos de sida, 11% associados à toxicodependência. E nas 18 Comissões para a Dissuasão da Toxicodependência foram instaurados 12 232 processos de contraordenação por consumo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Betinho

"NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus há seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.