Premium Navegar É Preciso - Sequestrados de verão

A fazer fé nos meteorologistas, a onda de calor que, durante dias, nos fez sentir como se andássemos de viagem por Marraquexe ou por Tunis, chegará - por agora - a um momento de "rebentação". Ou de recessão, como preferirem. Tal não invalida que continuemos a suar, a aceitar como uma bênção a necessidade de hidratação, a procurar refúgio nas brisas (quando se manifestem...), nas ventoinhas e nos leques, mais do que nos ares condicionados, tantas vezes traiçoeiros. Para muitos, o "consumo" de cultura não tem relação direta com a sazonalidade. Confesso o pecado de não pensar exatamente assim e, prova corriqueira disso mesmo, está o facto de, durante anos, ter cumprido um ritual de descompressão e de pura alegria no dia preciso em que começavam as férias: escutar e cantarolar o clássico Tarde em Itapoã, entregue pelas vozes de Vinicius de Moraes e de Toquinho. Valia como um hino de abertura a tudo o que escapava ao longo dos meses de trabalho ou de aulas. Inspiradamente: "Um velho calção de banho / O dia pra vadiar / Um mar que não tem tamanho / Um arco-íris no ar." Perfeito. Nem sequer o contacto real com a praia próxima de Salvador, Baía, Brasil, suja e descuidada, conseguiu esbater a via rápida que a cantiga proporciona em direção ao cenário ideal. Talvez por isso, a bossa-nova - de Nara Leão a Stan Getz, mas sempre com Tom Jobim e João Gilberto - se transformasse no género eleito para o verão. Ou até para uma qualquer e convicta "aspiração estival".

Um amigo meu era muito mais fundamentalista nestas matérias: apesar das reposições no cinema coincidirem, muitas vezes, com os meses de calor, ele sempre se recusou a descobrir o filme Lawrence da Arábia, o épico subtil de David Lean, nessa época do ano. Esperou pacientemente por um encontro que lhe permitisse, concluída a projeção, sair da sala e dar de caras com a chuva, o vento e o frio. Seguindo esse voto, também se resignou a ver
A Marcha dos Pinguins, o documentário "familiar" de Luc Jacquet quem tem por estrelas os animaizinhos da Antártida, em suporte DVD, com a sessão obviamente programada para o verão.

Sigo-lhe os passos, isso sim e em muitas ocasiões, no que toca à escolha dos livros. Por isso me atrevo a referir dois que me passaram recentemente pelas mãos e pelos olhos, ambos contrastando com este tempo de mais liberdade (nem sempre real), de maior ociosidade (para quem possa...), de uma diferente e mais distendida abordagem de espaço e tempo. Qualquer deles nos leva a mergulhar na dramática - e potencialmente trágica - condição daqueles que são aprisionados sem razão direta e veem alterada, de forma radical, a respetiva vida, até por não saberem quanto tempo mais ela vai durar...

O primeiro, mais recente, é O Fogo Será a Tua Casa (ed. D. Quixote), de Nuno Camarneiro (declaração de interesses: sim, bem sei que é colunista do DN - e daí?). A inquietação, mais do que a aventura, leva o próprio escritor a um país islâmico, onde acaba por ser raptado e atirado para uma cela, em mistura súbita com as outras personagens. Inteligente, agreste, tolerante - na medida do possível, dada a situação extrema -, é de uma enorme intensidade e de uma contagiante profundidade. O outro, que deveria ser leitura indispensável em qualquer escola de jornalismo, é de Gabriel García Márquez - Notícia de Um Sequestro, originalmente publicado em 1996, é um relato superlativo, até porque real, dos tormentos e contradições porque passam dez pessoas raptadas no princípio dos anos 90 do século passado às mãos de Pablo Escobar. Dizer que o autor de O Amor Nos Tempos de Cólera recupera, em pleno, a sua veia de repórter parece curto: o livro é magistral, angustiante e despreconceituoso, sem deixar de tomar posição. Como, afinal, acontece com as melhores reportagens narrativas. A vantagem de os ler agora é que, chegados ao fim, podemos sempre respirar fundo, levantar a vista e mergulhar, no mar ou na bebida fresca "à escolha do freguês". Com a certeza reforçada de que o verão não é obrigatoriamente pateta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.