Premium Jorge Silva Melo: "A mesa está posta, façam o favor de comer"

Faz hoje 70 anos e prepara um livro com o título A Mesa Está Posta. Jorge Silva Melo diz que já fez a maior parte do seu trabalho. Mas a quantidade de projetos desmente esse anúncio de fim.

A conversa decorreu na área de entrada do Teatro da Politécnica, com a sala de ensaios a funcionar. De vez em quando, alguém saía e voltava a entrar. Jorge estava dividido entre a conversa e a necessidade de ir para o ensaio, mas quis contar o que está a fazer e as dificuldades de um ano que foi o pior de que se lembra.

Lá dentro, os atores preparavam a peça O Vento num Violino, do argentino Claudio Tolcachir, com estreia marcada para 5 de setembro e que ficará até 13 de outubro ali no pequeno teatro. É uma peça "cómica, dramática, inquietante, calorosa", segundo o encenador, que, como sempre, já tem pronto o livrinho com o texto integral.

O autor deparou-se com a crise da Argentina, quando era preciso inventar uma nova maneira de fazer teatro. Claudio Tolcachir, nascido em 1975, inventou. "Fez a peça A Omissão da Família Coleman que era representada na sua própria casa, com a sua avó, a sua mãe... Aquilo encheu a casa, que era grande, depois passou a teatro, fez o CCB, a Schaubühne [Berlim], foi um êxito no mundo inteiro."

Personagens à procura de amor

Criou então a companhia Timbre 4 e escreveu esta peça que é interpretada por Andreia Bento, Isabel Muñoz Cardoso, Margarida Correia, Pedro Baptista, Pedro Carraca e Sara Inês Gigante, pela primeira vez sem ser pela companhia de Tolcachir. Na síntese de Jorge Silva Melo: "É uma peça muito curiosa sobre amores. Duas mães que protegem absolutamente os seus filhos, duas raparigas que se amam e querem ter uma criança. Fazem um ato condenável - violam um rapaz, com uma faca apontada - mas acabam todos felizes: as duas avós e as duas mães ficam radiantes com o bebé, o pai também."

Em suma, "sentimos que todas as personagens estão à procura de amor, dentro desta sociedade moderna em que o amor tem formas que não eram previstas antes, e tudo com uma franqueza total e maravilhosa. A peça é cristã, de certa maneira: o bebé reconcilia toda a gente, como o Menino Jesus no Natal, até vou usar A Minha História do Chico Buarque, baseada no Gesù Bambino do Lucio Dalla".

Do mesmo autor, Jorge Silva Melo quer encenar no final de 2019 a peça Emilia e quer dar a Lia Gama o grande papel que foi feito recentemente no Piccolo Teatro de Milão pela grande Giulia Lazzarini, a atriz favorita do encenador que o fundou, Giorgio Strehler.

Mas muito antes disso, já em outubro próximo, os Artistas Unidos vão estrear em Viseu a peça Do Alto da Ponte, de Arthur Miller, com um elenco de 17 atores, e que há de ter mais de 50 representações por todo o país, incluindo no Teatro São Luiz, em Lisboa. Mas não foi fácil concretizar estas duas produções porque, explica Silva Melo, "esta foi a temporada mais difícil de preparar de que me lembro". Neste momento só conta com um técnico e teve vários atores que acabaram por optar por outros trabalhos, dado o enorme atraso no processo do financiamento da Direção-Geral das Artes. "Eles foram saindo, saindo, perdemos 20 pessoas. E arranjar outros? Começámos em junho a tentar arranjar, mas como?"

Não pode ser só o Centeno a mandar nisto

Para o próximo ano, o diretor artístico dos Artistas Unidos teme que volte a haver atraso, porque só serão conhecidas as prestações em janeiro. "Quando li isso fiquei em pânico mas já não podia não assinar. Imagine que a primeira prestação cai em junho como neste ano. Eu não quero estar a dizer às pessoas não te pago agora, espera. Isto é louco, porque eles dizem que o apoio é sustentado e quadrienal. Quadrienal o tanas, só cobre três anos e meio. E sustentado não estou a ver como. Não pode ser só o Centeno a mandar nisto. No Ministério da Cultura tem de haver dinamismo. Nós pagamos muito pouco, 1200 euros. É evidente que um ator que tem uma telenovela onde ganha seis ou sete mil euros prefere a telenovela. Há uns que preferiam trabalhar connosco mas não lhes posso garantir nada.

E confessa: "Não posso continuar a viver assim anos a fio. É um desprezo completo. Espero que agora o Miguel Lobo Antunes e o seu grupo de trabalho venham pôr um bocadinho de ordem neste processo que é sinistro e que o Miguel Honrado só complicou, mais do que simplificou. Foi um ano catastrófico e vamos sentir as consequências em 2019 e 2020."

Arthur Miller, a imigração e a denúncia

Do Alto da Ponte, diz Jorge, coloca questões muito atuais. "Fala da imigração, dos clandestinos e da denúncia, o grande tema do Arthur Miller. A peça acaba com o protagonista a denunciar um jovem operário clandestino. Podemos ou não denunciar? É possível perdoar um denunciante? Temos de aceitar as razões daquele que denuncia? Os Artistas Unidos voltarão a Arthur Miller para A Morte de Um Caixeiro Viajante, mas só no final de 2020.

Depois de O Vento num Violino, o Teatro da Politécnica vai estrear a 31 de outubro Retrato de Uma Mulher Árabe Que Está a Olhar o Mar, de Davide Carnivali, "uma peça muito estranha sobre as relações sexuais óbvias entre a Europa e o orientalismo que o [Edward] Saïd bem descreveu. A Europa quer as raparigas árabes, as odaliscas, deseja-as com apetite sexual. Isso é possível? Não é possível? Como é que o árabe responde a isso?

E, finalmente, como está Jorge Silva Melo a viver os 70 anos? "Parece que foi ontem. Já me sinto mais cansado, o tabaco tem ajudado a envelhecer, mas é agradável fazer uma certa idade. Vai sair um livro com a recolha de quase todos os meus artigos sobre teatro e que é uma despedida. Chama-se A Mesa Está Posta, no sentido de que já acabei a maior parte do meu trabalho. A mesa está posta, agora façam o favor de comer.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.