Premium Jorge Silva Melo: "A mesa está posta, façam o favor de comer"

Faz hoje 70 anos e prepara um livro com o título A Mesa Está Posta. Jorge Silva Melo diz que já fez a maior parte do seu trabalho. Mas a quantidade de projetos desmente esse anúncio de fim.

A conversa decorreu na área de entrada do Teatro da Politécnica, com a sala de ensaios a funcionar. De vez em quando, alguém saía e voltava a entrar. Jorge estava dividido entre a conversa e a necessidade de ir para o ensaio, mas quis contar o que está a fazer e as dificuldades de um ano que foi o pior de que se lembra.

Lá dentro, os atores preparavam a peça O Vento num Violino, do argentino Claudio Tolcachir, com estreia marcada para 5 de setembro e que ficará até 13 de outubro ali no pequeno teatro. É uma peça "cómica, dramática, inquietante, calorosa", segundo o encenador, que, como sempre, já tem pronto o livrinho com o texto integral.

O autor deparou-se com a crise da Argentina, quando era preciso inventar uma nova maneira de fazer teatro. Claudio Tolcachir, nascido em 1975, inventou. "Fez a peça A Omissão da Família Coleman que era representada na sua própria casa, com a sua avó, a sua mãe... Aquilo encheu a casa, que era grande, depois passou a teatro, fez o CCB, a Schaubühne [Berlim], foi um êxito no mundo inteiro."

Personagens à procura de amor

Criou então a companhia Timbre 4 e escreveu esta peça que é interpretada por Andreia Bento, Isabel Muñoz Cardoso, Margarida Correia, Pedro Baptista, Pedro Carraca e Sara Inês Gigante, pela primeira vez sem ser pela companhia de Tolcachir. Na síntese de Jorge Silva Melo: "É uma peça muito curiosa sobre amores. Duas mães que protegem absolutamente os seus filhos, duas raparigas que se amam e querem ter uma criança. Fazem um ato condenável - violam um rapaz, com uma faca apontada - mas acabam todos felizes: as duas avós e as duas mães ficam radiantes com o bebé, o pai também."

Em suma, "sentimos que todas as personagens estão à procura de amor, dentro desta sociedade moderna em que o amor tem formas que não eram previstas antes, e tudo com uma franqueza total e maravilhosa. A peça é cristã, de certa maneira: o bebé reconcilia toda a gente, como o Menino Jesus no Natal, até vou usar A Minha História do Chico Buarque, baseada no Gesù Bambino do Lucio Dalla".

Do mesmo autor, Jorge Silva Melo quer encenar no final de 2019 a peça Emilia e quer dar a Lia Gama o grande papel que foi feito recentemente no Piccolo Teatro de Milão pela grande Giulia Lazzarini, a atriz favorita do encenador que o fundou, Giorgio Strehler.

Mas muito antes disso, já em outubro próximo, os Artistas Unidos vão estrear em Viseu a peça Do Alto da Ponte, de Arthur Miller, com um elenco de 17 atores, e que há de ter mais de 50 representações por todo o país, incluindo no Teatro São Luiz, em Lisboa. Mas não foi fácil concretizar estas duas produções porque, explica Silva Melo, "esta foi a temporada mais difícil de preparar de que me lembro". Neste momento só conta com um técnico e teve vários atores que acabaram por optar por outros trabalhos, dado o enorme atraso no processo do financiamento da Direção-Geral das Artes. "Eles foram saindo, saindo, perdemos 20 pessoas. E arranjar outros? Começámos em junho a tentar arranjar, mas como?"

Não pode ser só o Centeno a mandar nisto

Para o próximo ano, o diretor artístico dos Artistas Unidos teme que volte a haver atraso, porque só serão conhecidas as prestações em janeiro. "Quando li isso fiquei em pânico mas já não podia não assinar. Imagine que a primeira prestação cai em junho como neste ano. Eu não quero estar a dizer às pessoas não te pago agora, espera. Isto é louco, porque eles dizem que o apoio é sustentado e quadrienal. Quadrienal o tanas, só cobre três anos e meio. E sustentado não estou a ver como. Não pode ser só o Centeno a mandar nisto. No Ministério da Cultura tem de haver dinamismo. Nós pagamos muito pouco, 1200 euros. É evidente que um ator que tem uma telenovela onde ganha seis ou sete mil euros prefere a telenovela. Há uns que preferiam trabalhar connosco mas não lhes posso garantir nada.

E confessa: "Não posso continuar a viver assim anos a fio. É um desprezo completo. Espero que agora o Miguel Lobo Antunes e o seu grupo de trabalho venham pôr um bocadinho de ordem neste processo que é sinistro e que o Miguel Honrado só complicou, mais do que simplificou. Foi um ano catastrófico e vamos sentir as consequências em 2019 e 2020."

Arthur Miller, a imigração e a denúncia

Do Alto da Ponte, diz Jorge, coloca questões muito atuais. "Fala da imigração, dos clandestinos e da denúncia, o grande tema do Arthur Miller. A peça acaba com o protagonista a denunciar um jovem operário clandestino. Podemos ou não denunciar? É possível perdoar um denunciante? Temos de aceitar as razões daquele que denuncia? Os Artistas Unidos voltarão a Arthur Miller para A Morte de Um Caixeiro Viajante, mas só no final de 2020.

Depois de O Vento num Violino, o Teatro da Politécnica vai estrear a 31 de outubro Retrato de Uma Mulher Árabe Que Está a Olhar o Mar, de Davide Carnivali, "uma peça muito estranha sobre as relações sexuais óbvias entre a Europa e o orientalismo que o [Edward] Saïd bem descreveu. A Europa quer as raparigas árabes, as odaliscas, deseja-as com apetite sexual. Isso é possível? Não é possível? Como é que o árabe responde a isso?

E, finalmente, como está Jorge Silva Melo a viver os 70 anos? "Parece que foi ontem. Já me sinto mais cansado, o tabaco tem ajudado a envelhecer, mas é agradável fazer uma certa idade. Vai sair um livro com a recolha de quase todos os meus artigos sobre teatro e que é uma despedida. Chama-se A Mesa Está Posta, no sentido de que já acabei a maior parte do meu trabalho. A mesa está posta, agora façam o favor de comer.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)