Há fome na comunidade madeirense na Venezuela

O padre Alexandre Mendonça diz com todas as letras: há fome. A fome atinge a comunidade madeirense radicada no país. Cada dia que passa a situação piora. O sacerdote deixa um apelo à solidariedade.

Sucedem-se os relatos de situações dramáticas que atingem os venezuelanos, de um modo geral. Uma situação que também afeta elementos da comunidade madeirense ali radicada. Há carências de vária ordem. A falta de alimentos é uma delas. Há quem passe fome. A luta pela sobrevivência é diária. Os apelos à solidariedade são lançados com veemência. É o caso do padre Alexandre Mendonça. Recebeu-nos no Centro Português de Caracas, um clube da comunidade lusa, com capela e missa dominical, depois de um almoço domingueiro. Em cima da mesa, num saco de plástico transparente, um saco de medicamentos. "Acabei de recebê-lo. Vindo de Portugal. Toda a ajuda é pouca."

O sacerdote, confrontado com a pergunta, é direto na resposta: "Há fome, muita fome na Venezuela, incluindo na comunidade portuguesa. A grande maioria da população passa graves, graves situações. Há um aglomerado de realidades que tornam a cada dia a situação ainda mais difícil... e talvez aí resida a razão para a saída de muitos." O sacerdote sublinha que tem 50 anos na Venezuela, 30 de sacerdócio, 28 dos quais com a comunidade portuguesa, e nunca viu tanta gente a abandonar o país, sobretudo jovens formados, muitos sem qualquer ligação às comunidades estrangeiras, os próprios venezuelanos.

O responsável pela Missão Católica Portuguesa de Caracas é o interlocutor de muitos pedidos de ajuda. Sabe quem precisa. Mas nem sempre é possível acudir a todos. Medicamentos, alimentos, dinheiro, roupas. Sobre a atuação dos governos, quer da Madeira quer de Portugal, não deixa de dizer que "é preciso mais apoios. A situação é deveras preocupante". Fica, no entanto, a ressalva, pedida com insistência: "É preciso sempre agradecer toda a ajuda já disponibilizada, através da Embaixada de Portugal e através de várias instituições. Nunca é de mais agradecer."

Por fim, o padre Alexandre diz que se há um elemento identificador da comunidade portuguesa é a solidariedade. Ao longo dos tempos. "Sempre foi atenta e generosa com os que têm necessidade. A vida nunca foi fácil neste país, claro que, agora, está muito mais difícil."

Um país em modo de apagão

Outro dos problemas da Venezuela é a distribuição de energia elétrica. Os apagões são frequentes. Falta de manutenção da rede e roubo de vários tipos de material, como o cobre, podem explicar algumas destas situações que obrigam as empresas de grande dimensão a um investimento suplementar, a aquisição de geradores. Além de o preço dos combustíveis ser irrisório neste país, o custo da energia elétrica é também residual se tivermos em conta o equivalente em dólares ou em euros. Talvez por isso não é valorizada e, como tal, há de facto um desleixo, como por exemplo no desligar de aparelhos como o ar condicionado ou as simples lâmpadas.

Nas ruas de Caracas, a iluminação pública apresenta muitas falhas. Há locais completamente às escuras. Novamente a falta de manutenção e de material, como lâmpadas, está na origem do problema. Por vezes, os particulares são obrigados a iluminar a rua, por exemplo, para identificar quem chega à porta através de videovigilância. Nas principais vias, dentro e fora da capital, é frequente a ausência de luz elétrica. Há quem veja aí um símbolo deste país abençoado em riqueza e beleza naturais, mas sem esperança de futuro para cada vez mais gente.

Este texto foi originalmente publicado no Diário de Notícias da Madeira

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).