Há fome na comunidade madeirense na Venezuela

O padre Alexandre Mendonça diz com todas as letras: há fome. A fome atinge a comunidade madeirense radicada no país. Cada dia que passa a situação piora. O sacerdote deixa um apelo à solidariedade.

Sucedem-se os relatos de situações dramáticas que atingem os venezuelanos, de um modo geral. Uma situação que também afeta elementos da comunidade madeirense ali radicada. Há carências de vária ordem. A falta de alimentos é uma delas. Há quem passe fome. A luta pela sobrevivência é diária. Os apelos à solidariedade são lançados com veemência. É o caso do padre Alexandre Mendonça. Recebeu-nos no Centro Português de Caracas, um clube da comunidade lusa, com capela e missa dominical, depois de um almoço domingueiro. Em cima da mesa, num saco de plástico transparente, um saco de medicamentos. "Acabei de recebê-lo. Vindo de Portugal. Toda a ajuda é pouca."

O sacerdote, confrontado com a pergunta, é direto na resposta: "Há fome, muita fome na Venezuela, incluindo na comunidade portuguesa. A grande maioria da população passa graves, graves situações. Há um aglomerado de realidades que tornam a cada dia a situação ainda mais difícil... e talvez aí resida a razão para a saída de muitos." O sacerdote sublinha que tem 50 anos na Venezuela, 30 de sacerdócio, 28 dos quais com a comunidade portuguesa, e nunca viu tanta gente a abandonar o país, sobretudo jovens formados, muitos sem qualquer ligação às comunidades estrangeiras, os próprios venezuelanos.

O responsável pela Missão Católica Portuguesa de Caracas é o interlocutor de muitos pedidos de ajuda. Sabe quem precisa. Mas nem sempre é possível acudir a todos. Medicamentos, alimentos, dinheiro, roupas. Sobre a atuação dos governos, quer da Madeira quer de Portugal, não deixa de dizer que "é preciso mais apoios. A situação é deveras preocupante". Fica, no entanto, a ressalva, pedida com insistência: "É preciso sempre agradecer toda a ajuda já disponibilizada, através da Embaixada de Portugal e através de várias instituições. Nunca é de mais agradecer."

Por fim, o padre Alexandre diz que se há um elemento identificador da comunidade portuguesa é a solidariedade. Ao longo dos tempos. "Sempre foi atenta e generosa com os que têm necessidade. A vida nunca foi fácil neste país, claro que, agora, está muito mais difícil."

Um país em modo de apagão

Outro dos problemas da Venezuela é a distribuição de energia elétrica. Os apagões são frequentes. Falta de manutenção da rede e roubo de vários tipos de material, como o cobre, podem explicar algumas destas situações que obrigam as empresas de grande dimensão a um investimento suplementar, a aquisição de geradores. Além de o preço dos combustíveis ser irrisório neste país, o custo da energia elétrica é também residual se tivermos em conta o equivalente em dólares ou em euros. Talvez por isso não é valorizada e, como tal, há de facto um desleixo, como por exemplo no desligar de aparelhos como o ar condicionado ou as simples lâmpadas.

Nas ruas de Caracas, a iluminação pública apresenta muitas falhas. Há locais completamente às escuras. Novamente a falta de manutenção e de material, como lâmpadas, está na origem do problema. Por vezes, os particulares são obrigados a iluminar a rua, por exemplo, para identificar quem chega à porta através de videovigilância. Nas principais vias, dentro e fora da capital, é frequente a ausência de luz elétrica. Há quem veja aí um símbolo deste país abençoado em riqueza e beleza naturais, mas sem esperança de futuro para cada vez mais gente.

Este texto foi originalmente publicado no Diário de Notícias da Madeira

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.