A noite lisboeta em que reis e estrelas de Hollywood não dormiram

Audrey Hepburn era franzina mas ninguém deixava de olhar para uma das atrizes que mais furor provocava no cinema. Gina Lollobrigida era de uma beleza inclassificável. Há 50 anos, fizeram o sucesso da Festa Patiño entre mil convidados.

Ao fim de 50 anos, a Festa Patiño ainda não foi ultrapassada por mais nenhum evento social em Portugal, mesmo que tudo se tenha passado há meio século, no dia 6 de setembro de 1968. A lista de convidados que aceitaram ir divertir-se nessa noite à propriedade do milionário boliviano reúne centenas de ilustres e famosos, muitos dos quais nunca tinham visitado o país e talvez nem soubessem bem onde ficava.

Mas Antenor Patiño comprara terras na região de Alcoitão e apaixonara-se por esta parte do país, próxima de Cascais, onde abriu as portas da Quinta Patiño nessa noite de magia para receber reis e príncipes, atores e atrizes entre os mais populares nesse momento, e plebeus da alta-finança e figuras sociais. Pode mesmo dizer-se que entre as várias centenas de presenças famosas só não esteve na quinta do milionário quem não era alguém em 1968!

A lista ilustre de convidados atraía as atenções principalmente por causa de duas divas do cinema: Audrey Hepburn e Gina Lollobrigida. Lollo, como era conhecida, era a mulher mais sexy dessa época e Hepburn a menina querida de Hollywood. Havia outras atrizes, como Zsa Zsa Gabor, por exemplo, mas essa só valia pelas escandaleiras que foi provocando durante a festa que trouxe a Portugal a mulher mais bonita do mundo e a "miúda" mais querida do cinema.

Indecentes, salvo seja, foram as horas a que a festa acabou. Já o dia amanhecera e o título do artigo no DN era "Debandada lenta de estrelas e celebridades".

Entre muitos outros, destacava-se a princesa Soraya, ex-imperatriz da Pérsia e ídolo das portuguesas da altura devido à sua história conjugal dramática com o Xá. Outras princesas brilhavam, Margarida da Dinamarca e Ira de Furstenberg. Ou o empresário Gunter Sachs, a radiosa Begum Aga Khan e a atriz mexicana Maria Félix.

Nessa lista que reunia um milhar de convidados estava também a nata do regime salazarista, mesmo que o internamento do governante no Hospital da Cruz Vermelha nessa mesma noite criasse sérios embaraços aos ministros, diplomatas e apoiantes do governante, que teimavam em participar dos festejos oferecidos por Antenor Patiño. O frisson causado pela notícia que era passada em segredo de um para o outro sobre o que acontecera a Salazar não impediu que a maioria dos políticos fosse até Alcoitão e lá permanecessem até horas decentes.

Indecentes, salvo seja, foram as horas a que a festa acabou. Já o dia amanhecera e o título do artigo no DN era "Debandada lenta de estrelas e celebridades". O jornalista só lamentava que além de ser a "festa mais fabulosa que algum dia se realizou em Portugal", a Festa Patiño tivesse sido também a "mais interdita" e que "só meia dúzia de portugueses conseguissem obter o famigerado cartão branco que permitia a entrada no recinto".

Famosos de poucas palavras

Nada que impedisse centenas de populares de irem até à porta do Hotel Ritz e abrirem alas para que os famosos passassem pelo meio do povo enquanto se dirigiam para a Quinta Patiño. Mesmo assim, o DN obteve algumas declarações de Gina Lollobrigida: "Sei que muita gente quando me vê das plateias vê sempre a mulher e não a personagem que interpreto. Acho errado, uma coisa é a atriz e outra coisa a figura."

Os restantes famosos pouco falaram, mesmo que tenham utilizado as escadarias do Ritz como uma verdadeira passerelle (ver fotos). O sucesso da Festa Patiño nunca mais foi repetido desde o dia 6 de setembro de 1968 nem nunca se juntaram tantas estrelas no país por causa de um capricho de um milionário.

O anfitrião da festa, Antenor Patiño, faleceu em 1982, com 85 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.