A noite lisboeta em que reis e estrelas de Hollywood não dormiram

Audrey Hepburn era franzina mas ninguém deixava de olhar para uma das atrizes que mais furor provocava no cinema. Gina Lollobrigida era de uma beleza inclassificável. Há 50 anos, fizeram o sucesso da Festa Patiño entre mil convidados.

Ao fim de 50 anos, a Festa Patiño ainda não foi ultrapassada por mais nenhum evento social em Portugal, mesmo que tudo se tenha passado há meio século, no dia 6 de setembro de 1968. A lista de convidados que aceitaram ir divertir-se nessa noite à propriedade do milionário boliviano reúne centenas de ilustres e famosos, muitos dos quais nunca tinham visitado o país e talvez nem soubessem bem onde ficava.

Mas Antenor Patiño comprara terras na região de Alcoitão e apaixonara-se por esta parte do país, próxima de Cascais, onde abriu as portas da Quinta Patiño nessa noite de magia para receber reis e príncipes, atores e atrizes entre os mais populares nesse momento, e plebeus da alta-finança e figuras sociais. Pode mesmo dizer-se que entre as várias centenas de presenças famosas só não esteve na quinta do milionário quem não era alguém em 1968!

A lista ilustre de convidados atraía as atenções principalmente por causa de duas divas do cinema: Audrey Hepburn e Gina Lollobrigida. Lollo, como era conhecida, era a mulher mais sexy dessa época e Hepburn a menina querida de Hollywood. Havia outras atrizes, como Zsa Zsa Gabor, por exemplo, mas essa só valia pelas escandaleiras que foi provocando durante a festa que trouxe a Portugal a mulher mais bonita do mundo e a "miúda" mais querida do cinema.

Indecentes, salvo seja, foram as horas a que a festa acabou. Já o dia amanhecera e o título do artigo no DN era "Debandada lenta de estrelas e celebridades".

Entre muitos outros, destacava-se a princesa Soraya, ex-imperatriz da Pérsia e ídolo das portuguesas da altura devido à sua história conjugal dramática com o Xá. Outras princesas brilhavam, Margarida da Dinamarca e Ira de Furstenberg. Ou o empresário Gunter Sachs, a radiosa Begum Aga Khan e a atriz mexicana Maria Félix.

Nessa lista que reunia um milhar de convidados estava também a nata do regime salazarista, mesmo que o internamento do governante no Hospital da Cruz Vermelha nessa mesma noite criasse sérios embaraços aos ministros, diplomatas e apoiantes do governante, que teimavam em participar dos festejos oferecidos por Antenor Patiño. O frisson causado pela notícia que era passada em segredo de um para o outro sobre o que acontecera a Salazar não impediu que a maioria dos políticos fosse até Alcoitão e lá permanecessem até horas decentes.

Indecentes, salvo seja, foram as horas a que a festa acabou. Já o dia amanhecera e o título do artigo no DN era "Debandada lenta de estrelas e celebridades". O jornalista só lamentava que além de ser a "festa mais fabulosa que algum dia se realizou em Portugal", a Festa Patiño tivesse sido também a "mais interdita" e que "só meia dúzia de portugueses conseguissem obter o famigerado cartão branco que permitia a entrada no recinto".

Famosos de poucas palavras

Nada que impedisse centenas de populares de irem até à porta do Hotel Ritz e abrirem alas para que os famosos passassem pelo meio do povo enquanto se dirigiam para a Quinta Patiño. Mesmo assim, o DN obteve algumas declarações de Gina Lollobrigida: "Sei que muita gente quando me vê das plateias vê sempre a mulher e não a personagem que interpreto. Acho errado, uma coisa é a atriz e outra coisa a figura."

Os restantes famosos pouco falaram, mesmo que tenham utilizado as escadarias do Ritz como uma verdadeira passerelle (ver fotos). O sucesso da Festa Patiño nunca mais foi repetido desde o dia 6 de setembro de 1968 nem nunca se juntaram tantas estrelas no país por causa de um capricho de um milionário.

O anfitrião da festa, Antenor Patiño, faleceu em 1982, com 85 anos.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.