Rui Pinto em prisão preventiva após recorrer da extradição

Tribunal Metropolitano de Budapeste decidiu extraditar português ligado às revelações do Football Leaks.

O português Rui Pinto recorreu da sentença de extradição para Portugal, decidida na terça-feira em Budapeste, ficando a aguardar a conclusão do processo em prisão preventiva.

Um dos denunciantes do caso Football Leaks, que revelou vários escândalos no futebol internacional, o hacker Rui Pinto - que estava em prisão domiciliária -, viu a juíza do Tribunal Metropolitano de Budapeste rejeitar o apelo para permanecer na Hungria. "É uma questão de vida ou de morte" não ser extraditado, face às ameaças de que tem sido alvo, sustentou.

O seu advogado, Francisco Teixeira da Mota, explicou depois, numa nota à Lusa, que um dos pressupostos do recurso assenta na inexistência de um mandado de detenção português quando Rui Pinto foi preso no âmbito da investigação ao seu alegado acesso aos sistemas informáticos do Sporting Clube de Portugal e do fundo de investimentos Doyen Sports (sediado em Malta).

"Um dos motivos por que não deve ser cumprido o MDE [mandado de detenção europeu] é o facto de o mesmo ter sido emitido invocando um mandado de detenção nacional que não existia e que só veio a ser emitido um mês depois da detenção de Rui Pinto em Budapeste ao abrigo do MDE", referiu Francisco Teixeira da Mota.

"O MDE, que determinou a detenção de Rui Pinto, referia a existência de um mandado de detenção nacional emitido em 15 janeiro mas, há poucos dias, as autoridades portuguesas vieram comunicar que o mandado de detenção nacional tinha sido emitido em 15 de fevereiro", lê-se no mesmo comunicado de Francisco Teixeira da Mota.

Como tal, "a inexistência de mandado de detenção nacional prévio e distinto do mandado de detenção europeu tem como consequência que o mandado de detenção europeu não é válido", argumentou o advogado.

Rui Pinto, que vive na Hungria, foi detido a 18 de janeiro e está indiciado pela prática de seis crimes: dois de acesso ilegítimo, dois de violação de segredo, um de ofensa a pessoa coletiva e outro de extorsão na forma tentada.

O tribunal de Budapeste rejeitara, em fevereiro, o recurso do Ministério Público húngaro para Rui Pinto ser colocado em prisão preventiva enquanto decorria o processo de extradição para Portugal.

"Não me arrependo de nada"

No final da audiência, algemado, Rui Pinto disse aos jornalistas que voltaria a fazer as mesmas denúncias e deixou fortes críticas à justiça portuguesa.

"Fiz o que tinha a fazer, não me arrependo de nada, faria tudo outra vez", afirmou Rui Pinto, insistindo que as suas denúncias não visaram "um clube em específico" porque o caso "é internacional" e envolveu a divulgação de situações com outros clubes.

Um deles foi o próprio FC Porto, de que é adepto, pois teve acesso a informação que indicia a existência de "comportamentos um pouco estranhos" por parte de figuras ligadas ao clube e até que possa haver "desvio de fundos", contou.

O Football Leaks "publicou documentos [relativos a] irregularidades" no FC Porto, insistiu Rui Pinto, negando ainda a acusação de receber quaisquer verbas pela venda do livro sobre os casos de corrupção no futebol que denunciou.

"Portugal está podre" e "não vai acontecer nada" para alterar o estado de coisas no futebol português, ao contrário de outros países que disse "quererem mudar" a realidade que o Football Leaks permitiu conhecer, acusou Rui Pinto.

"Em Portugal não há cultura do desporto, há a cultura do clubismo. Temos magistrados e juízes que infelizmente levam a paixão clubística muito a sério", lamentou Rui Pinto.

Rui Pinto terá acedido, em setembro de 2015, ao sistema informático da Doyen Sports Investements Limited e aos contratos que celebrou com clubes de futebol e sociedades anónimas desportivas (SAD).

O hacker é também suspeito de aceder ao correio eletrónico de administradores e advogados do Sporting e ao sistema informático da respetiva SAD.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.