OCDE: Portugal chega a eleições com desemprego perto de 6%

Assumindo os números da organização de Angel Gurría, esta legislatura pode conseguir gerar mais de 366 mil novos empregos

A taxa de desemprego portuguesa medida em percentagem da população ativa deverá cair dos atuais 7,1% (valor provisório para maio, segundo o INE) para 6,2% no último trimestre do ano que vem, altura em que se devem realizar as eleições legislativas. Outubro de 2019 é referido como o mês preferencial para o sufrágio. Quando António Costa chegou ao governo, o desemprego estava em 12,2%.

Estas projeções, realizadas pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), indicam que o nível de desemprego nacional estará assim a caminho do valor mais baixo em 16 anos.

Em termos de criação de emprego, o cenário também parece favorável. Cálculos do DN/Dinheiro Vivo com base em dados recentes da OCDE, republicados esta semana, indicam que a organização liderada por Angel Gurría acredita que a economia portuguesa será capaz de criar ainda mais emprego em cima dos 208 mil obtidos em 2016 e 2017.

As estimativas apontam para mais 158 mil postos de trabalho novos nestes dois anos (2018 e 2019), melhor até do que diz o governo, que no Programa de Estabilidade feito em abril tinha implícita uma adição de 144 mil empregos nestes dois anos.

Assumindo os números que vêm da OCDE, significa que esta legislatura pode resultar em mais de 366 mil novos empregos. O único senão, alerta a OCDE, é que o emprego criado é maioritariamente precário e de baixos salários.

À medida que vão saindo novas previsões económicas sobre Portugal, os números são revistos em alta. Por exemplo, o Banco de Portugal, que divulgou um novo cenário macroeconómico em junho, avança com uma projeção implícita de 182 mil novos empregos nos dois anos em análise, o que é bem mais do que diz o Ministério das Finanças, de Mário Centeno.

Em todo o caso, a OCDE mostra no seu mais recente panorama sobre o emprego (Outlook) que a marca de 6,2% de desemprego na reta final de 2019 fica bastante aquém da situação verificada na maioria das economias avançadas, que fazem parte do clube da OCDE. Estão melhor.

Claro que os cerca de 6% de pessoas sem trabalho é positivo para Portugal tendo em conta que o país chegou a registar taxas de quase 18% no auge do ajustamento, no início de 2013, além de reforçar uma tendência clara de descida iniciada em meados de 2013, interrompida em finais de 2014 e retomada depois em meados de 2016, já com o atual governo em funções.

No entanto, o peso do desemprego, que hoje afeta 364 mil pessoas em Portugal, continuará ainda a ser, daqui a pouco menos de ano e meio, um dos mais elevados do mundo desenvolvido. Pelas contas da organização de Gurría, Portugal estará no oitavo lugar desta lista. No final do ano que vem, os piores casos continuam a ser Grécia (19%), Espanha (13,3%) e Itália (10,8%).

A média da OCDE rondará os 5,1% graças aos vários casos de desemprego muito baixo. República Checa com 2,2%, Japão com 2,5%, Islândia com 2,7% e Alemanha com apenas 3,3%.

A análise da OCDE no Outlook Económico

Relativamente a Portugal, os peritos da OCDE referem que "o investimento público apoiará o crescimento económico em 2018" e que a "postura da política orçamental vai ser levemente expansionista".

Além disso, antecipam que "a absorção dos fundos da União Europeia deverá aumentar de forma notável", um impulso ao investimento.

Apesar de reparar na dívida pública muito elevada, a OCDE apoia de forma genérica a abordagem de Centeno e Costa às contas públicas. "A redução projetada do défice orçamental é apropriada."

A política orçamental "ligeiramente expansionista" de 2018 deverá tornar-se "amplamente neutra em 2019". Para a OCDE, isto é "apropriado" porque o país tem "a necessidade de manter a sustentabilidade orçamental de médio prazo que, ao mesmo tempo, não impeça a recuperação económica".

A retoma "continuará a ser apoiada por reformas passadas, pelo comércio externo favorável e pelas condições da procura interna". Mas o consumo e o investimento "continuam a ser limitados pelo fraco crescimento da produtividade do trabalho". A OCDE vê a economia a crescer 2,2% em 2018 e 2019.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.