Premium Quem são os inimigos de Nicolás Maduro

Dentro e fora de portas, ao presidente da Venezuela não falta quem o queira fora do palácio presidencial.

O presidente da Venezuela queixa-se de ter sido alvo de uma tentativa de assassínio. O ataque foi reivindicado pelo pouco conhecido grupo Movimento Soldados de Franelas, e seis pessoas foram detidas. Mas Nicolás Maduro foi expedito a apontar o dedo ao presidente cessante da vizinha Colômbia e aos grupos de extrema-direita que residem nos Estados Unidos.

"Não tenho dúvidas de que tudo aponta para a extrema-direita venezuelana em aliança com a extrema-direita colombiana e que o nome de Juan Manuel Santos está por trás deste atentado", disse Maduro.

Em entrevista à AFP, Juan Manuel Santos afirmou a oito dias de sair da presidência: "Vejo aproximar-se a queda do regime de Maduro." E desejou que tal acontecesse "amanhã", embora tenha desejado que tal aconteça de "forma pacífica".

O presidente que se afirma filho de Hugo Chávez especificou ainda que os "responsáveis intelectuais" e financiadores da operação residem na Florida, pelo que apelou o presidente norte-americano, Donald Trump, para combater "os grupos terroristas que pretendem cometer magnicídio ou atentados contra países pacíficos, como a Venezuela".

O aliado e homólogo da Bolívia, Evo Morales, deu importância a outras pistas e afirmou no Twitter que o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, se reuniu com oito presidentes da América Latina. E que nessas reuniões pediu apoio para um intervenção militar na Venezuela.

Demonstrar vulnerabilidade

"É óbvio que há uma oposição a Maduro fora da Venezuela, mas não sabemos verdadeiramente a dimensão da estrutura", afirma Felipe Pathé Duarte. Perante as informações existentes, o especialista em relações internacionais também não arrisca quem são os autores. "Quem está verdadeiramente por trás, se a Colômbia, se os Estados Unidos, não se sabe. O objetivo deste tipo de atuação, mais do que eliminar Nicolás Maduro, é demonstrar a sua vulnerabilidade física", comenta.

O grupo que reivindicou o ataque usou exatamente essa ideia numa mensagem no Twitter.


O ministro da Defesa Vladimir Padrino, em comunicado (escrito em maiúsculas) para expressar solidariedade das Forças Armadas para com o presidente, disse que esta "ação cobarde" é uma "prática típica das oligarquias", mas sem adiantar mais pormenores sobre quem são os oligarcas.

Oposição em Caracas

A oposição que o regime bolivariano chama de extrema-direita é um alvo comum de violentas críticas. Por exemplo, em 2016, um dos principais dirigentes, Diosdado Cabello, acusou a Vontade Popular, o partido fundado por Leopoldo López (preso desde 2014, a cumprir 13 anos de prisão na sequência das manifestações que causaram 43 mortos), de preparar uma "onda de violência".

Já o Vente, partido liderado por María Corina Machado, afirmou em comunicado que a "denúncia de tentativa de magnicídio" é a "a cobardia e a mentira expostas em plena Avenida Bolívar", onde decorreu a cerimónia de celebração do 81.º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana.
E denunciou que "enquanto as máfias se mantiverem no poder" não há medidas económicas ou políticas que valham e apelou para que todos os venezuelanos saiam à rua para gritar "Fora Maduro".

Um cenário que, para já, parece estar longe de se concretizar. "As condições económicas e sociais levaram à instabilidade política, mas nem sempre são causa suficiente para derrubar um governo", aponta Pathé Duarte. "Não obstante a situação, com a inflação fora de controlo, o desemprego elevado, a escassez de alimentos e de outros bens de primeira necessidade, tudo isto ainda não foi suficiente para a desobediência civil. Porquê? Possivelmente por não haver apoio internacional suficiente, quem detém as armas está ainda muito próximo do governo", conclui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.